Jornalista acusa CIA de colaborar com seus captores na Síria

Londres, 3 Set 2016 (AFP) - O fotojornalista do Times Anthony Lloyd, sequestrado em 2014 junto a outro colga pelos rebeldes enquanto cobria o conflito na Síria, afirma que um de seus captores forma parte de um grupo de combatentes apoiado pelas forças americanas.

Em um artigo publicado neste sábado no Times, Lloyd explica que recentemente reconheceu a pessoa que atirou contra ele e o sequestrou em um vídeo que mostra combatentes rebeldes "pertencentes a um grupo apoiado pela CIA", a agência de inteligência americana.

Durante seu cativeiro, Anthony Lloyd foi baleado na perna e o fotógrafo Jack Hill foi duramente espancado, segundo o jornal britânico. Os dois jornalistas foram finalmente libertados por ordem de um comandante local rebelde.

"Atirou contra mim em meio a uma multidão de espectadores depois de ter me espancado selvagemente, acusando-me de ser um espião da CIA. Agora, pelo que parece, trabalha para ela", escreveu Lloyd, ressaltando que foi baleado duas vezes "quase à queima-roupa" e quando estava amarrado.

"Homens assim são os últimos aliados dos ocidentais contra o grupo Estado Islâmico (EI) na Síria", acrescenta.

Os militares americanos lançaram no início de 2015 um programa de 500 milhões de dólares para formar e equipar combatentes sírios que lutassem contra o EI.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos