Silêncio e selfies na cidade chinesa que acolhe o G20

Hangzhou, China, 4 Set 2016 (AFP) - Um silêncio sepulcral reinava neste domingo perto do lago do Oeste de Hangzhou, onde as autoridades chinesas mobilizaram uma impressionante operação de segurança para a cúpula do G20.

A multidão de turistas que geralmente se reúne nas margens deste lago que inspirou poetas e pintores chineses durante séculos estava ausente neste domingo. A circulação foi fechada nas ruas próximas.

Os únicos que podiam circular eram os veículos da polícia e as caravanas de luxuosos carros oficiais de delegações estrangeiras.

Um punhado de moradores aproveitaram esta cena incomum para tirar selfies nas ruas vazias.

Árvores com luz artificial decoravam as ruas desta cidade do leste da China, que foram enfeitadas para receber os líderes dos países mais poderosos do mundo.

Mais de dois milhões de pessoas, de uma população de nove milhões, abandonaram a cidade, aproveitando as férias pagas que as empresas locais tiveram que dar aos seus funcionários, por ordem das autoridades, por ocasião do G20, segundo meios de comunicação estatais.

A maioria viajou a Huangshan, uma cordilheira em uma província vizinha, depois que as autoridades ofereceram excursões gratuitas, segundo a imprensa local.

Além disso, os moradores mais abastados que vivem em apartamentos próximos à sede do G20 receberam incentivos financeiros para que abandonassem temporariamente seus lares.

Mas, aparentemente, o tratamento não foi o mesmo para a grande população de trabalhadores migrantes de Hangzhou. Muitos afirmam que as autoridades ordenaram que fechassem seus negócios, sem oferecer nenhuma compensação.

"Ordenaram que fechássemos nosso restaurante, então voltamos a minha cidade natal, em Sichuan", disse uma mulher de sobrenome Zhou, contactada pela AFP por telefone. "Estávamos perdendo dinheiro", lamentou.

"Inicialmente nos disseram que iriam nos dar uma compensação, mas nunca a recebemos", acrescentou.

As medidas de segurança geralmente são muito rígidas durante as cúpulas do G20, independentemente do lugar onde ocorram, já que o evento atrai manifestantes que buscam uma audiência global para suas causas.

Desde dezembro, as autoridades chinesas mobilizaram um milhão de pessoas como voluntárias para a cúpula, segundo meios de comunicação estatais.

Muitos deles, identificados com uma pulseira vermelha, estavam parados ou sentados nas ruas de Hangzhou, aparentemente com pouca coisa a fazer.

Um policial impediu que um jornalista da AFP tirasse fotos dos guardas e vários voluntários disseram que precisavam de autorização para falar com os meios de comunicação estrangeiros.

"Trabalho para uma empresa pública que organizou este trabalho voluntário", contou uma destas trabalhadoras, de sobrenome Wang, que estava sentada perto de um ponto de ônibus.

"Meu trabalho é garantir que as pessoas que descem dos ônibus não carreguem objetos perigosos, como facas", acrescentou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos