Dois detidos após descoberta de carro com botijões de gás perto da catedral de Paris

Paris, 8 Set 2016 (AFP) - Duas pessoas permanecem detidas depois que a polícia francesa encontrou vários botijões de gás em um carro nas proximidades da Catedral de Notre-Dame-de-Paris, no fim de semana passado.

A descoberta aconteceu em pleno estado de emergência, quase dois meses depois do atentado de Nice (sul da França), que deixou 86 mortos.

A unidade antiterrorista abriu uma investigação preliminar por associação criminosa com fins terroristas.

Os dois presos - suspeitos de vínculo com movimentos extremistas, de acordo com registros dos Serviços de Inteligência - foram detidos em uma autoestrada francesa, completou a polícia.

Já o proprietário do veículo - com antecedentes de proselitismo islâmico tempos atrás - foi liberado. A polícia procura sua filha, definida pelo próprio pai como "radicalizada".

Os investigadores e o serviço de Inteligência foram alertados no domingo, quando o funcionário de um bar detectou a presença de um botijão de gás no assento de um veículo. O automóvel não tinha placa e estava com o pisca-alerta ligado.

O botijão estava vazio, mas os policiais encontraram, na mala do carro, outros cinco botijões de gás cheios, informou uma fonte próxima à investigação, acrescentando que nenhum detonador foi achado.

O carro estava estacionado em uma pequena rua da capital, próxima da Catedral de Notre-Dame-de-Paris.

A França está sob uma ameaça terrorista sem precedentes há mais de um ano, após uma série de atentados, a maior parte deles reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

O diretor-geral do Departamento de Segurança Interna (DGSI), Patrick Calvar, alertou em maio, em uma comissão da Assembleia Nacional francesa, sobre o risco de "uma nova forma de ataque" com artefatos explosivos em locais de alta concentração de pessoas.

Calvar disse estar convencido de que os extremistas "ganharão força" ao passar à fase de carros-bomba e artefatos explosivos.

"A partir do momento em que contarem com especialistas em explosivos em nosso território, poderão evitar sacrificar seus combatentes, criando o máximo de dano possível", advertiu na época.

Nos dias 7, 8 e 9 de janeiro de 2015, foram registrados ataques na França contra a revista satírica Charlie Hebdo e um supermercado kósher de Paris, que deixaram 17 mortos.

Em 13 de novembro de 2015, 130 pessoas morreram nos atentados mais violentos já registrados na França, ataques coordenados em Paris e cometidos por três comandos nas proximidades do Stade de France, em vários restaurantes e cafeterias da cidade e na casa de espetáculos Bataclan.

No dia 14 de julho, 86 pessoas morreram atropeladas por um caminhão que invadiu as celebrações do Dia da Bastilha em Nice, no sul do país.

A França está na mira do EI. Dezenas de cidadãos do país se uniram, ou tentaram entrar, para o grupo extremista, que faz ameaças reiteradas contra Paris pela participação francesa na coalizão internacional que luta contra o EI na Síria e no Iraque.

nal-rb-kap-fff/fp/tt

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos