Após 38 anos, vice das Avós da Praça de Maio vê justiça acontecer

Buenos Aires, 8 Set 2016 (AFP) - Aos 97 anos, a vice-presidente das Avós da Praça de Maio, Rosa Roisinblit, escutou nesta quinta-feira, depois de 38 anos, a condenação a 25 e 12 anos de prisão dos ex-militares acusados pelo desaparecimento de sua filha grávida e seu genro durante a ditadura argentina.

O ex-comandante da Força Aérea Omar Graffigna, de 90 anos, e o comodoro aposentado Luis Trillo, de 75 anos, foram condenados a 25 anos de prisão, enquanto o agente de inteligência militar Francisco Gómez, de 70 anos, recebeu uma pena de 12 anos de prisão, segundo a sentença.

"Vejo que a justiça tarda, mas chega", declarou Roisinblit, que promovia uma ação contra o Estado desde 1979 e comemora por poder "ter a felicidade de viver para ver isso que acabei de ver e ouvir".

A sentença condenou os militares por "privação ilegal de liberdade e tormentos agravados", mas não pelo desaparecimento forçado como pedia a ação que solicitava penas de prisão perpétua pelo sequestro ocorrido em outubro de 1978 de José Pérez Rojo e de Patricia Roisinblit, que permanecem desaparecidos.

Após ouvir a sentença, os netos de Rosa - Mariana e Guillermo Pérez Roisinblit - se abraçaram com sua avó.

Aos 15 meses, Mariana presenciou o sequestro de seus pais e foi entregue aos avós paternos.

Guillermo, um dos 120 netos recuperados pelas Avós da Praça de Maio, nasceu no cativeiro de sua mãe que estava grávida de 8 meses ao ser sequestrada. Conseguiu recuperar sua identidade em 2000, encontrado por sua irmã que trabalhava com as Avós.

O rapaz não se conformou com a pena de seu sequestrador, Francisco Gómez. "Não estou feliz com os 12 anos que lhe deram, não só pela magnitude do dano que cometeu, mas também porque ele tem a informação precisa - e sei pela sua boca - do que aconteceu com meus pais, do calvário que tiveram que viver e certamente onde estão seus corpos", afirmou.

As Avós da Praça de Maio ainda buscam 400 bebês roubados durante a ditadura (1976 a 1983).

"Eu vi meus dois netos me abraçarem e chorarem comigo. É um momento de muita emoção, um pouco de pranto e um pouco de satisfação. A luta continua porque ainda faltam muitos netos a serem encontrados", sentenciou Rosa Roisinblit.

Força Aérea no banco dos réusO julgamento começou em maio passado, quando Rosa pôde ver cara a cara os três acusados no banco dos réus, entre eles Omar Graffigna, integrante da segunda Junta Militar que governou a Argentina, entre 1979 e 1981.

Também viu o comodoro aposentado Luis Trillo, que esteve à frente da Riba, um organismo de espionagem da Força Aérea em Morón, periferia oeste de Buenos Aires, e Francisco Gómez, um agente de inteligência que lá atuou.

Na Riba funcionava uma prisão clandestina onde Patricia e José permaneceram em cativeiro entre outubro e novembro de 1978. De lá, Patricia foi levada para o centro clandestino da Escola de Mecânica da Armada (Esma) onde deu à luz em um porão. Após regressar ao Riba, sequestraram seu bebê.

O caso de Guillermo foi o primeiro conhecido de um bebê roubado envolvendo a Força Aérea.

Graffigna foi absolvido no histórico Julgamento das Juntas de 1985, em que o ex-ditador Jorge Videla e o ex-chefe da Marinha Emilio Massera foram condenados à prisão perpétua.

Porém, em 2013, foi preso e processado pelo desaparecimento de Pérez Rojo e de Roinsinblit, quando era o chefe do Estado Maior Geral da Força Aérea.

sa-ls-ip/fj/cb/lr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos