Inundações na Coreia do Norte deixam 133 mortos e 395 desaparecidos

Seul, 12 Set 2016 (AFP) - Ao menos 133 pessoas morreram e 395 estão desaparecidas em consequência das inundações que afetam o nordeste da Coreia do Norte desde o início do mês, segundo um novo balanço da ONU divulgado nesta segunda-feira em Seul.

O balanço anterior, que datava de quinta-feira, era de 60 mortos.

Além disso, um total de 107.000 pessoas foram retiradas das áreas próximas ao rio Tumen, de acordo com o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), que citou como fonte o governo norte-coreano.

O rio Tumen serve, em parte de seu curso, como fronteira natural entre Coreia do Norte, de um lado, e China e Rússia, do outro.

De acordo com o balanço da OCHA, mais de 35.000 casas e 8.700 edifícios públicos foram danificados ou destruídos pelo aumento do nível do rio, provocado por fortes chuvas.

Um total de 16.000 hectares de cultivos estão inundados e ao menos 140.000 pessoas precisam de ajuda urgente, segundo o comunicado, datado no domingo, mas que foi recebido nesta segunda-feira.

A agência oficial norte-coreana KCNA indicou no domingo que "dezenas de milhares" de casa e edifícios públicos foram destruídos, assim como trechos de ferrovias, estradas, cabos elétricos, fábricas e campos de cultivos.

Os habitantes da província de Hamyong, no nordeste do país, estão sofrendo "grandes dificuldades", segundo a KCNA, que anunciou uqe uma campanha destinada a estimular a economia nacional foi redirecionada para apoiar as vítimas das inundações.

O objetivo é "reorientar todos os esforços à construção de casas para oferecer um local confortável às pessoas afetadas pelas inundações e transformar em um ano as zonas atingidas em um mundo de sonho sob a égide do Partido dos Trabalhadores", segundo a agência oficial.

Na falta de infraestruturas e equipamentos adequados, a Coreia do Norte é particularmente vulnerável aos desastres naturais, principalmente as inundações causadas, sobretudo, pelo desmatamento das colinas.

Durante o verão de 2012, as inundações e deslizamentos de terra provocados pelas chuvas torrenciais deixaram 169 mortos, 400 desaparecidos e 212.200 deslocados, e arrasaram 650 km2 de terras cultivadas, segundo os meios de comunicação oficiais norte-coreanos.

Inundações e fortes chuvas foram algumas das causas da grande fome que deixou centenas de milhares de mortos entre 1994 e 1998 na Coreia do Norte, um dos países mais isolados do mundo.

O Conselho de Segurança da ONU trabalha em uma nova resolução que pode endurecer as sanções contra o governo de Pyongyang após seu quinto teste nuclear.

sm/jhw/jac/mb-ra/es/fp/ma

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos