Papa celebra missa em memória do padre francês assassinado por extremistas

Cidade do Vaticano, 14 Set 2016 (AFP) - O papa Francisco celebrou uma missa nesta quarta-feira no Vaticano em memória do padre francês Jacquel Hamel, que foi degolado em julho por extremistas em sua igreja, e afirmou que matar em nome de Deus é um ato "satânico".

"Seria bom que todas as confissões religiosas proclamassem que matar em nome de Deus é satânico", declarou o pontífice diante de 80 peregrinos da diocese de Rouen (noroeste da França).

Na capela da residência Santa Marta, onde celebra a missa todos os dias às 7H00 locais e onde uma foto do padre Hamel foi colocada sobre o altar, o papa usava uma casula vermelha, a cor dos mártires.

"Hoje na Igreja há mais mártires cristãos que nos primeiros séculos", afirmou o papa no sermão, pronunciado em italiano e traduzido ao francês para os fiéis.

"Cristãos que sofrem hoje, encarcerados, torturados, assassinados por não renunciar a Jesus Cristo", disse.

O religioso francês era "um homem bom, doce, de fraternidade", que foi assassinado "como um criminoso", mas que não perdeu "a lucidez de acusar e de nomear seu assassino: disse claramente 'saia, Satanás'", recordou o papa.

"Devemos orar por ele - é um mártir e os mártires são bem-aventurados - para que nos dê a todos a fraternidade, a paz e a coragem de dizer a verdade: matar em nome de Deus é satânico", disse.

O padre Jacques Hamel, de 85 anos, foi degolado por dois extremistas de 19 anos que juraram lealdade ao grupo Estado Islâmico (EI), no momento em que celebrava a missa em sua igreja de Saint-Etienne-du-Rouvray, na região de Rouen.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos