Ajuda continua sem entrar na Síria, apesar de ampliação da trégua

Alepo, Síria, 15 Set 2016 (AFP) - A ONU pediu ao governo sírio, nesta quinta-feira, que autorize "imediatamente" a entrada de ajuda humanitária nas localidades cercadas, após Rússia e Estados Unidos ampliarem o cessar-fogo por mais 48 horas.

Símbolo das novas tensões entre as potências, a Rússia acusou os Estados Unidos nesta quinta de não cumprir com seus compromissos do acordo de cessar-fogo na Síria - por não fazer pressão suficiente nos rebeldes para que se distanciem dos extremistas.

"Parece que o objetivo da 'nebulosa retórica' de Washington seja ocultar o fato de não cumprir com sua parte dos compromissos, em primeiro lugar sobre a separação dos rebeldes moderados dos terroristas", acusou o porta-voz do Ministério de Defesa russo, Igor Konachenkov.

"No terceiro dia (da trégua), só o exército sírio respeitava o cessar-fogo. No mesmo momento, a oposição moderada patrocinada pelos Estados Unidos aumentou o número de ataques contra os bairros residenciais", acrescentou.

Um alto responsável da ONU anunciou que vinte caminhões que transportam ajuda humanitária da organização para a zona leste de Aleppo "cruzaram a fronteira" turca e esperavam na "zona tampão" entre a Turquia e a Síria.

"Os 20 caminhões atravessaram a fronteira turca e se encontram na zona tampão entre a Turquia e a fronteira síria", declarou aos meios de comunicação Jan Egeland, que disse esperar que a ajuda humanitária possa ser distribuída na sexta-feira nos bairros sob controle dos rebeldes.

O enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, entretanto, explicou que o comboio não sairá enquanto as condições de segurança na rota do Castello - eixo principal para chegar na parte leste de Aleppo - não estiverem garantidas.

Nesse sentido, a Rússia anunciou que as forças do governo sírio começavam a se retirar da estrada do Castello em cumprimento ao acordo de trégua negociado com os Estados Unidos.

"Cumprindo com seus compromissos, as forças sírias iniciaram a retirada de seu material de combate e de seu pessoal da estrada do Castello", declarou o chefe do centro russo de coordenação na Síria, Vladimir Savchenko.

Acrescentou que os rebeldes não haviam saído, apesar de isso ter sido concordado.

- Entrada imediata -Após uma reunião em Genebra do Grupo de Trabalho sobre a ajuda humanitária na Síria, Staffan de Mistura disse à imprensa: "necessitamos da permissão final. É algo que se necessita imediatamente".

A ONU recebeu em 6 de setembro uma autorização do governo sírio para dividir a ajuda nas localidades cercadas de Madaya, Zabadani, Fua, Kefraya e Muadamiyat al-Sham.

"É particularmente lamentável, perdemos tempo. A Rússia está de acordo conosco nesse ponto", acrescentou e insistiu que isso significa uma "decepção" para os russos.

A ONU espera poder levar a ajuda humanitária "amanhã" (sexta-feira) para o leste de Aleppo, onde, segundo a ONU, entre 250.000 e 275.000 pessoas vivem nos bairros rebeldes, assinalou Jan Egeland, que lidera o Grupo de Trabalho.

Os Estados Unidos assinalaram que o cessar-fogo se mantém, apesar das violações de ambos os lados, e reafirmaram sua preocupação com o fato de o comboio de ajuda permanecer bloqueado.

"Certamente ainda não estamos lá", assinalou o porta-voz do departamento de Estado, Mark Toner. "É claro que o objetivo é chegar a 100% de redução da violência. Mas ainda não chegamos lá e não estamos afirmando que chegamos".

- Morte de civis -Ao menos 23 civis morreram nesta quinta-feira em bombardeios aéreos lançados sobre a cidade de Mayadin, no leste do país, sob domínio do grupo Estado Islâmico (EI).

"Vinte e três civis, entre eles nove crianças, foram mortos em ataques aéreos sobre a cidade de Mayadin", na província de Deir ez-Zor, informou à AFP o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane, acrescentando que um dos ataques visava a uma escola que abrigava deslocados da guerra.

Outros 30 civis ficaram feridos nesses ataques áereos, acrescentou Rahmane, sem indicar se a ofensiva foi executada pela aviação russa, síria, ou pela coalização internacional liderada por Washington.

Deir ez-Zor, que conta com importantes jazidas de petróleo, está nas mãos do EI - que também controla a maior parte da capital de mesmo nome. Apenas o aeroporto militar e bairros próximos estão sob domínio do governo.

Após o fim de uma primeira fase de 48 horas de trégua, que acabou na quarta-feira às 19H00 locais (13H00 de Brasília), o secretário de Estado americano, John Kerry, e seu homólogo russo, Serguei Lavrov, acordaram seu prolongamento por mais 48 horas.

Essa trégua chegou após semanas de discussões entre Washington e Moscou, que apoiam respectivamente a rebelião e o governo.

O objetivo é favorecer a retomada das negociações entre o governo e os rebeldes para pôr fim ao conflito que desde março de 2011 já deixou mais de 300.000 mortos, entre eles mais de 87.000 civis, além de milhares de deslocados, segundo o OSDH.

A Rússia defendeu nesta quinta-feira que o Conselho de Segurança da ONU adote uma resolução apoiando seu acordo com os Estados Unidos sobre a Síria.

"Estamos trabalhando nisto", declarou o embaixador russo, Vitali Churkin, à imprensa. "Acredito que será adotado no dia 21" de setembro.

strs-sah-ram/cb/lr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos