Grupos de mídia processam FBI por desbloqueio do iPhone de agressor de San Bernardino

Washington, 16 Set 2016 (AFP) - Três grupos de mídia dos Estados Unidos apresentaram uma ação judicial, nesta sexta-feira (16), pedindo que o FBI revele os detalhes de como desbloqueou o iPhone do homem que, junto com sua mulher, matou 14 pessoas em San Bernardino, no ano passado.

O FBI, a polícia federal americana, disse que queria desbloquear o iPhone 5C de Syed Rizwan Farook para buscar possíveis vínculos com o grupo extremista Estado Islâmico (EI), mas a companhia Apple se negou a ajudar, alegando preocupações com a privacidade dos usuários.

A Gannett (empresa associada ao jornal USA Today), a agência de notícias Associated Press e o grupo Vice Media solicitaram detalhes sobre o desbloqueio misterioso que reacendeu o debate sobre a criptografia das comunicações e a proteção da privacidade.

Farook e sua mulher cometeram o massacre durante uma festa de Natal, em um escritório de San Bernardino, na Califórnia.

A agência federal levou a Apple à Justiça em fevereiro passado para forçá-la a colaborar com a investigação, mas retirou sua ação judicial semanas depois, após ter conseguido hackear o telefone com a ajuda de terceiros.

O FBI não revelou o nome do colaborador externo, nem o custo da operação.

"Entender o montante que o FBI considerou apropriado para gastar com a ferramenta, bem como a identidade e a reputação do fornecedor com quem fez negócios, é essencial para que o público possa exercer uma vigilância efetiva do governo", diz o processo, aberto em um tribunal na capital americana, Washington.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos