Venezuela assume presidência de Movimento dos Não Alinhados em meio a crise

Porlamar, Venezuela, 18 Set 2016 (AFP) - Em meio à profunda crise econômica e política, a Venezuela assumiu neste sábado a presidência do Movimento de Países Não-Alinhados (NOAL, na sigla em inglês) durante a cúpula do grupo realizada em Isla Margarita.

O presidente Nicolás Maduro, que enfrenta uma crescente pressão internacional e descontentamento popular, recebeu de seu homólogo iraniano, Hasan Rohani, a presidência por três anos deste bloco, que tenta se reinventar no pós-Guerra Fria.

À XVIIª Cúpula dos NOAL compareceram delegados dos 120 países do grupo, entre eles os presidentes de Irã, Zimbábue, Cuba, Equador, Bolívia, El Salvador e da Autoridade Palestina, junto com alguns primeiros-ministros.

Em seu discurso, Maduro disse que a Venezuela enfrenta "uma ofensiva imperialista" com métodos "não convencionais (...) em forma de guerra econômica.

O presidente socialista disse que essa "guerra" é parte de "uma ofensiva imperialista para tentar reverter os avanços e conquistas da revolução bolivariana" fundada pelo falecido líder Hugo Chávez (1999-2013) e que se estendeu por toda a América Latina, impondo-se sobre as "oligarquias" tradicionais.

Maduro acusa a oposição venezuelana de planejar um golpe de Estado. Os opositores, contudo, afirmam que Maduro se agarra ao poder com os militares e com o controle dos órgãos de justiça e eleitoral.

A coalizão Mesa de la Unidad Democrática (MUD) está em uma ofensiva para conseguir um referendo revocatório neste ano, que segundo a consultora privada Datanálisis é apoiado por oito em cada dez venezuelanos.

-Respiro com aliados-Em meio à crise política e econômica, Maduro busca um alívio nesta XVIIª Cúpula NOAL, celebrada durante dois dias na cidade de Porlamar, em Isla Margarita, onde se reúnem mandatários de países como Irã, Zimbábue, Cuba, Equador, Bolívia, El Salvador, além da Autoridade Palestina.

O Movimento dos Países Não Alinhados, que surgiu como una alternativa à bipolaridade de Estados Unidos e União Soviética, debate em Isla Margarita sobre a paz e a defesa da soberania, subindo o tom contra os Estados Unidos sobretudo nos discursos de Coreia do Norte, Cuba, Venezuela, Bolívia e Equador.

O presidente de Cuba, Raúl Castro, denunciou planos "subversivos e de ingerência" dos Estados Unidos que impedem a normalização das relações bilaterais, mas garantiu que seu governo quer ter "relações de convivência civilizada" com os Estados Unidos.

"Reitero nossa solidariedade com a Venezuela e proponho que essa cumbre rechace toda tentativa de injerência e desestabilização externas", manifestou o presidente equatoriano, Rafael Correa.

Durante seus discursos, Maduro, Castro, Correa e o presidente boliviano, Evo Morales, voltaram a denunciar o "golpe de Estado parlamentar" no Brasil, que destituiu a presidente Dilma Rousseff por suposta manipulação de contas públicas.

- Revés internacional -O presidente socialista venezuelano enfrenta um enorme descontentamento popular devido à altíssima inflação e à escassez de produtos básicos, que provocam longas filas nos supermercados para conseguir alimentos a preços subsidiados.

Além disso, perdeu a influência internacional ostentada por seu mentor, Hugo Chávez, diante da queda dos preços do petróleo e do retrocesso da esquerda na região.

Integrante da Opep (Organização de Países Exportadores de Petróleo), este país com as maiores reservas petrolíferas do mundo buscará apoio para sua campanha que busca congelar a produção global de petróleo, uma tentativa de estabilizar os preços do produto.

A oposição assegura que Maduro busca com a reunião dos NOAL simular que não está internacionalmente isolado, referindo-se ao revés internacional sofrido pelo governo às vésperas da Cúpula.

Os quatro países fundadores do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) anunciaram que vão assumir de forma colegiada a presidência temporária do bloco que seria da Venezuela.

Para permanecer no Mercosul, a Venezuela deve cumprir com os objetivos econômicos, comerciais e de direitos humanos, embora o bloco não tenha a "intenção" de expulsá-lo, afirmou a chanceler argentina, Susana Malcorra.

"É um golpe político muito forte para a Venezuela", disse à AFP a analista Raquel Gamus, que também considerou que a Cúpula tem "pouco significado". "Isso não dá ao país nenhum tipo de benefícios, só gastos", acrescentou.

A Isla Margarita, chamada de "Pérola do Caribe", sofreu uma forte deterioração pela crise. Mas nos últimos dias, devido à Cúpula, suas ruas foram revitalizadas, não falta água, os hotéis ficaram lotados e as filas nos mercados desapareceram.

Palco de protestos contra o governo recentemente, em Margarita dezenas de pessoas foram detidas há duas semanas, depois que um grupo de moradores protestou contra Maduro com um panelaço durante uma caminhada pelo bairro de Villa Rosa.

Para prevenir distúrbios e garantir a segurança das delegações, 14.000 policiais e militares vigiam nesta semana a ilha, os voos particulares foram proibidos e os aviões comerciais passam por um rígido controle de passageiros.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos