Merkel sob pressão após nova derrota eleitoral de seu partido

Berlim, 19 Set 2016 (AFP) - A chanceler alemã Angela Merkel sofreu no domingo nas eleições municipais de Berlim o segundo revés consecutivo provocado por sua política de recepção aos refugiados, que deu espaço para o crescimento do partido de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD).

Os adversários de Merkel intensificaram as críticas à política migratória adotada em agosto de 2015 e que permitiu a chegada de centenas de milhares de refugiados, o que provoca uma inquietação cada vez maior da opinião pública.

Merkel reconheceu que cometeu erros na política migratória e prometeu fazer todo o possível para evitar a repetição do caos do fim de 2015.

"Se pudesse, eu voltaria no tempo vários anos para poder, com o governo e as outras autoridades, nos preparar melhor ante a situação que nos surpreendeu um pouco no final do verão de 2015", disse a chanceler, em referência ao período em que milhares de refugiados entraram na Alemanha.

"Deus sabe que nem sempre tomamos boas decisões nos últimos anos", disse Merkel, antes de defender a decisão "totalmente justificada" de abrir as fronteiras do país aos refugiados, em sua maioria procedentes da Síria.

A Alemanha "não foi campeã mundial de integração" dos migrantes, completou a chanceler após a derrota em Berlim de seu partido, a União Democrata Cristã (CDU).

Para Markus Söder, um dos líderes da União Social Cristã (CSU), partido aliado de Merkel na Baviera e que exige um endurecimento radical da política migratória, a CDU "está sob a ameaça de uma perda enorme e duradoura da confiança de seus eleitores.

A CDU obteve no domingo apenas 17,65% dos votos em Berlim, seu pior resultado na cidade desde o pós-guerra.

O partido conservador perdeu pontos sobretudo em relação ao movimento anti-imigração Alternativa para a Alemanha (AfD), que recebeu 14,2% dos votos.

Eleição após eleição, a AfD está quebrando um dos tabus do pós-guerra na Alemanha: a presença a longo prazo de um partido de extrema-direita.

Alguns anos depois de outros países, a Alemanha registra a emergência de um movimento de direita conservador anti-imigração, como a Frente Nacional na França ou a extrema-direita na Áustria.

O mesmo fenômeno é registrado na Polônia, Hungria e nos Estados Unidos com a candidatura de Donald Trump à presidência.

- AfD sonha com 2017 -O avanço da AfD em uma grande metrópole como Berlim, conhecida por seu espírito liberal e cosmopolita, confirma que o partido fundado há apenas três anos não limita sua influência às regiões da ex-Alemanha Oriental.

O resultado de Berlim coloca a AfD em ótima posição para entrar no Parlamento federal nas eleições legislativas de 2017.

"Somos um partido estabelecido", celebro Jörg Meuthen, um de seus líderes.

No domingo, a CDU registrou seu quinto retrocesso eleitoral consecutivo nas eleições regionais.

A CDU participa de apenas seis dos 16 governos regionais da Alemanha e encabeça apenas quatro, destacaram os analistas.

O Partido Social Democrata (SPD) também registrou seu pior resultado eleitoral do pós-guerra em Berlim, com 21,6% dos votos, mas conserva a prefeitura.

"Com o desânimo que aparece, o medo de perder o poder em 2017 pode aumentar na CDU e ampliar a pressão para que Merkel explique mais sua estratégia política", afirma o analista político Gero Neugebauer, no jornal Handelsblatt.

Merkel decidiu nesta segunda-feira adiar sua viagem a Nova York, onde deve participar na Assembleia Geral da ONU.

Desde o início de 2016, a chanceler começou a adotar medidas para restringir o acesso de refugiados e migrantes.

Há alguns dias, de forma significativa, ela se distanciou do slogan "Podemos fazer" que marcou sua política migratória, frase que é cada vez mais criticada ante as dificuldades de integração dos refugiados.

"Esta frase já foi muito falada e soa vazia", disse Merkel em uma entrevista à revista Wirtschaftswoche.

A liderança da chanceler, no entanto, não parece em perigo, já que o partido não tem nenhum nome alternativo.

"Merkel utiliza a incerteza na CDU sobre o que poderia acontecer caso se afastasse", destaca o jornal Süddeutsche Zeitung.

Além disso, ela é beneficiada pelo fato de que não acontecerão mais eleições locais importantes antes de março de 2017.

"É a única boa notícia para Merkel", afirma o jornal Die Welt.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos