Shimon Peres, de falcão à Nobel da Paz

Jerusalém, 28 Set 2016 (AFP) - O ex-presidente e ex-premier Shimon Peres, um dos fundadores de Israel, foi um dos mais ferrenhos defensores do Estado Hebreu e também o principal promotor da paz com os palestinos, o que lhe valeu o prêmio Nobel da Paz.

- Artífice dos Acordos de Oslo -Peres foi um dos grandes artífices dos históricos Acordos de Oslo (1993 e 1995) entre Israel e a Organização para a Libertação da Palestina, que estabeleceram as bases da autonomia palestina e deveriam conduzir à paz sobre o princípio de dois Estados, israelense e palestino.

Ministro das Relações Exteriores de seu grande adversário trabalhista, Yitzhak Rabin, ficou encarregado das negociações, o que lhe valeu o Nobel da Paz, compartilhado com Rabin e o líder palestino Yasser Arafat em 1994.

A solução de dois Estados coexistindo em paz "é o único caminho possível para acabar com o terrorismo, a violência e o ódio", disse à revista Time.

Peres também esteve envolvido no esforço de paz com Egito e Jordânia, os dois únicos países árabes que firmaram acordos de paz com Israel.

- Falcão convertido em pacifista -"Eu não mudei. Acredito que a situação mudou. Enquanto a existência de Israel estava sob ameaça eu era o que vocês chamariam de falcão (...). Quando percebi que os árabes estavam abertos à negociação, disse que era o que também queríamos", declarou à Time.

- Figura proeminente -Em Israel, sua aura de último sobrevivente da geração dos pais fundadores do Estado hebreu e sua onipresença durante décadas impuseram Peres como figura proeminente.

Primeiro-ministro entre 1984 e 1986, e 1995-96; presidente de 2007 a 2014, ministro de Defesa, Relações Exteriores, Finanças, companheiro de viagem de David Ben Gurion, Rabin e Ariel Sharon, se consolidou como autoridade respeitada, apesar das críticas por seus incontáveis cargos, tanto no governo como na oposição.

Nos anos 50, na direção geral do ministério da Defesa, participou da aquisição de armas modernas para Israel, especialmente a partir da França, país com o qual manteve uma estreita relação.

Participou da preparação da expedição de Suez em 1956, que uniu Israel, França e Grã-Bretanha.

Como ministro da Defesa, Peres apoiou nos anos 70, na Cisjordânia ocupada, as primeiras colônias israelenses, que têm proliferado desde então e são consideradas um obstáculo para a paz.

Era o primeiro-ministro em 1996, quando 106 civis morreram em um campo da ONU bombardeado por Israel na localidade libanesa de Cana.

- Pai do programa nuclear de Israel -Na direção geral da Defesa, Peres assentou as bases do programa nuclear israelense e propiciou a construção do reator de Dimona.

Peres justificou a construção de Dimona pela falta de recursos energéticos em Israel, mas admitia as virtudes da dissuasão nuclear.

"Não tenho qualquer dúvida de que Dimona conferiu a Israel uma dimensão dissuasiva. Para mim, Dimona foi o primeiro passo para Oslo", disse em 2014.

- Protegido de Ben Gurion -Nascido em 1923 em uma família com posses na então Polônia - hoje Belarus -, Peres emigrou em 1934 para a Palestina sob mandato britânico.

Envolvido em política muito cedo no kibutz, se incorporou em 1947 ao Haganah, antecessor do Exército hebreu, e foi protegido de David Ben Gurion, que proclamou o Estado de Israel.

Eleito para o Parlamento em 1959, esteve presente na Casa quase sem interrupção até chegar à presidência, em 2007.

Peres foi casado com Sonya, falecida em 2011, com quem teve três filhos e vários netos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos