EUA apoiam chamado de inclusão de Santos após rejeição a acordo com as Farc

Washington, 3 Out 2016 (AFP) - Os Estados Unidos anunciaram nesta segunda-feira seu respaldo à convocatória do presidente colombiano Juan Manuel Santos a um diálogo com todas as forças políticas, após a surpreendente rejeição nas urnas do acordo de paz com as Farc.

"Apoiamos a proposta do presidente Santos para a unidade de esforços em apoio a um diálogo amplo como o próximo passo para alcançar uma paz justa e duradoura", disse o Departamento de Estado em um comunicado.

Um dia depois que 50,21% dos colombianos disseram "Não" aos acordos de paz, funcionários americanos destacavam os anúncios de Santos, dos líderes da guerrilha e do opositor ex-presidente Álvaro Uribe, de trabalhar de maneira conjunta para alcançar a paz.

"É uma boa notícia", assinalou o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest.

Earnest expressou a esperança do governo americano de que as partes cheguem a uma "paz negociada" e destacou que os "Estados Unidos estão prontos, inclusive através de nosso enviado especial, para apoiar todas as partes a chegar a um acordo que seja consistente com a vontade e ambição dos colombianos".

O porta-voz reiterou o compromisso dos Estados Unidos com o fortalecimento da economia e da segurança na Colômbia, sua principal aliada na região e onde já investiu em 15 anos mais de 10 bilhões de dólares para combater as guerrilhas e o narcotráfico.

O presidente Barack Obama lançou o plano "Paz Colômbia" para o pós-conflito, para o qual estão previstos 400 milhões de dólares.

A Colômbia estava decidida nesta segunda-feira a salvar o processo de paz depois do referendo: o governo e os rebeldes analisavam os próximos passos, enquanto a oposição vitoriosa reiterava sua vontade de renegociar o pacto, diante do olhar atônito da comunidade internacional.

"A expectativa era que o acordo de paz fosse ratificado pelos eleitores colombianos, e isso não foi o que aconteceu", disse Earnest.

Santos, empenhado desde sempre em legitimar por voto popular o acordo de paz, anunciou nesta segunda-feira uma convocação a todas as forças políticas "para escutá-las, abrir espaços de diálogo e determinar o caminho a seguir".

Os Estados Unidos, que defendem os acordos e têm um enviado especial durante as conversações, reconheceram que "decisões difíceis deverão ser tomadas nos próximos dias".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos