Premiê húngaro inflexível, apesar do referendo inválido sobre migrantes

Budapeste, 3 Out 2016 (AFP) - O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, continua inflexível em seu confronto com a União Europeia (UE) sobre a acolhida de refugiados, apesar de não ter obtido o quórum necessário no referendo de domingo sobre sua política antimigratória e de soberania nacional.

Orban sofreu um revés no referendo, que registrou uma participação abaixo dos 50% necessários - de acordo com números oficiais, após a apuração de 99,6% dos votos.

"A União Europeia não poderá impor sua vontade à Hungria" em matéria de imigração, declarou Orban, depois do anúncio do resultado.

"Bruxelas não poderá impor sua vontade à Hungria", acrescentou o líder conservador em um discurso, ressaltando que espera "fazer Bruxelas compreender que não pode ignorar a vontade de 99,2% dos eleitores".

Como se antecipava, os eleitores do "não" atingiram 98,3% do total, mas apenas 39,8% dos oito milhões de inscritos compareceram às urnas, o que invalidou o resultado, segundo os números divulgados pelo vice-presidente do partido, Gergely Gulyas.

Orban, no entanto, está destacando apenas a arrasadora maioria do voto pelo "Não", e considerou nesta segunda que a consulta foi um sucesso.

"A Hungria decidiu dizer claramente, de uma vez por todas, o que os húngaros pensam das migrações em massa", declarou ante o parlamento.

Segundo Orban, o resultado, ainda sem quórum, reflete o amplo apoio dos eleitores a sua política.

"Vamos lutar por nosso direito", prometeu, sem deixar dúvidas sobre sua vontade de prosseguir com sua campanha - junto ao grupo de Visegrado (Hungria, Eslováquia, República Tcheca, Polônia) - para reforçar o peso dos parlamentos nacionais frente aos tratados europeus.

Antevendo há alguns dias uma possível vitória contrariada pela abstenção, Orban sempre reiterou que a prioridade era a porcentagem alcançada pelo "não".

"Estou orgulhoso de que sejamos os primeiros [na Europa] a responder a essa questão nas urnas, mesmo que estejamos sozinhos, infelizmente", declarou Orban, ao fim da votação.

"Com o referendo, podemos enviar uma mensagem para cada europeu: lhes dizer que depende de nós, cidadãos europeus, fazer que a UE entre na razão, com um esforço comum, ou deixá-la se desintegrar", insistiu o dirigente.

Em Bruxelas, as autoridades europeias temiam que a consulta húngara aplicasse um novo golpe ao bloco, já abalado pela crise migratória e pelo "Brexit".

"Se forem organizados referendos sobre cada decisão dos ministros e do Parlamento Europeu, a autoridade da lei está em perigo", advertiu há meses o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

Neste domingo, o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, denunciou um "jogo perigoso".

Nesta segunda, Schulz defendeu o diálogo invés de "tensões artificiais dentro da UE".

"Os cidadãos húngaros não levaram em conta os chamados de Orban", opinou em seu Twitter.

Para o analista Csaba Toth, do Instituto Republikon, se trata de um número suficiente de votos para convencer Orban de continuar usando o tema da migração - como faz há mais de um ano - visando às legislativas de 2018.

O partido conservador Fidesz de Orban está no poder desde 2010 na Hungria, e seu único verdadeiro rival é o partido de ultradireita Jobbik.

Cerca de 8,3 milhões de eleitores foram convocados para responder à pergunta: "Quer que a União Europeia decrete a realocação obrigatória de cidadãos não-húngaros na Hungria sem a aprovação do Parlamento húngaro?".

Mais de 400.000 imigrantes transitaram pela Hungria em 2015, a maior parte deles antes de que serem instaladas as cercas nas fronteiras da Sérvia e da Croácia.

pmu-smk/me/age/cn

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos