Primeira audiência do julgamento pelo assassinato do opositor russo Nemtsov

Moscou, 3 Out 2016 (AFP) - O julgamento em Moscou dos supostos assassinos do ex-vice-primeiro-ministro russo e opositor Boris Nemtsov, cujo assassinato nas proximidades do Kremlin em 2015 provocou uma onda de indignação, começou efetivamente nesta segunda-feira com uma primeira audiência pública.

Em um tribunal de Moscou, onde se reuniram jornalistas, diplomatas e ativistas dos direitos humanos, os cinco suspeitos compareceram trancados em um recinto de vidro, como é o costume na Rússia, sob a vigilância de policiais armados.

Uma primeira audiência preliminar a portas fechadas havia sido realizada em julho na corte militar regional de Moscou.

A morte de Boris Nemtsov, em 27 de fevereiro de 2015, formava parte de um "plano cuidadosamente preparado", afirmou a procuradora Maria Semenenko durante a audiência.

"Ofereceram a eles 15 milhões de rublos (quase 240.000 dólares) pela morte de Nemtsov", disse, ressaltando que "tudo parece indicar que o assassinato foi lançado por um grupo organizado".

Para preparar este assassinato, compraram dois apartamentos, um carro e armas, declarou.

Depois de afirmar ter as provas que demonstram a culpa dos cinco suspeitos, a procuradora descreveu os fatos que levaram à morte a tiros do político opositor.

No entanto, "a investigação não estabeleceu os motivos do assassinato de Boris Nemtsov", acabou admitindo, acrescentando que o instigador do crime segue em paradeiro desconhecido.

Ruslan Mujudinov, um checheno identificado pelos investigadores em dezembro de 2015 como o organizador do assassinato, continua sendo procurado pela polícia russa.

Os cinco supostos executores, presentes na sala - Zaur Dadayev, Anzor Gubashev, Shadid Gubashev, Temirlan Eskerkhanov e Khamzat Bakhayev -, todos provenientes das repúblicas russas muçulmanas da Chechênia e Ingushétia, foram identificados e detidos em março de 2015. Todos se declararam inocentes.

Muitos parentes de Nemtsov acusaram as pessoas que cercam o autoritário dirigente checheno Ramzan Kadyrov, e inclusive ele mesmo, de ser os responsáveis por seu assassinato.

am-all/kat/cr/es/age/ma

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos