Mediterrâneo: 28 emigrantes morrem na costa líbia

A bordo do barco Astral, Italie, 5 Out 2016 (AFP) - Ao menos 28 emigrantes morreram nesta terça-feira no Mediterrâneo, informou a Marinha italiana, que coordenou 33 operações de resgate para socorrer 4.655 pessoas que seguiam em direção à Europa.

Na maior tragédia do dia, a Guarda Costeira encontrou 22 emigrantes mortos no porão de uma embarcação diante da costa líbia. A maioria dos óbitos ocorreu por asfixia - constatou um fotógrafo da AFP que conseguiu subir no barco.

"Era um barco de madeira e havia cerca de mil pessoas em três níveis. Eu subi e consegui contabilizar 22 mortos, mas havia mais no porão", relatou por telefone o fotógrafo da AFP Aris Messinis, que embarcou no "Astral", o barco da ONG espanhola ProActiva Open Arms.

Às 22h locais (17h, horário de Brasília), os socorristas do Astral deram lugar a membros da Marinha Italiana para retirar os sobreviventes e recuperar os corpos, contou o repórter.

A Guarda Costeira italiana informou, sem dar mais detalhes, que no total 28 corpos foram resgatados nesta terça-feira, entre 4.655 emigrantes socorridos com vida em 33 operações.

Na segunda-feira (3), mais de 6.000 pessoas foram resgatadas em uma operação da Guarda Costeira, com apoio de navios militares e de embarcações de organizações humanitárias - entre elas Médicos Sem Fronteiras (MSF), SOS Mediterrâneo, Save the Children e ProActiva Open Arms.

A maioria dos navios havia retornado à Itália para levar os emigrantes resgatados. Com isso, o barco da ONG ProActiva Open Arms teve de se encarregar sozinho da emergência.

O Astral começou seus trabalhos de resgate nesta terça-feira (4) ao amanhecer e continuou trabalhando até o cair da noite, ajudando vários botes infláveis e o já sobrecarregado barco pesqueiro.

"Havia pânico a bordo, pessoas que saltavam na água", descreveu o fotógrafo.

No início, a ONG foi assistida apenas por um avião militar espanhol, que lançou coletes salva-vidas. Depois do meio-dia, um navio militar italiano participou do resgate.

Na segunda-feira, 6.055 emigrantes que tentavam entrar na Europa cruzando o Mediterrâneo foram salvos pela operação coordenada pela Marinha italiana, coincidindo com o terceiro aniversário do espantoso naufrágio de Lampedusa.

No total, nove pessoas morreram na segunda-feira durante a perigosa travessia, que compreende um somatório de riscos mortais além do afogamento no mar: asfixia por emanação de combustível nos porões dos barcos, queimaduras, hipotermia e desidratação aguda, entre outros.

Em 3 de outubro de 2013, uma barcaça que partiu do norte da África em direção ao litoral europeu afundou com ao menos 518 migrantes procedentes de Somália e Eritreia, deixando 366 mortos, 155 sobreviventes e um número não determinado de desaparecidos.

pho-fcc/fjb/an/pr/tt/lr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos