Chanceler francês diz que teria sido embaraçoso para Putin ir a Paris falar da Síria

Paris, 12 Out 2016 (AFP) - O presidente Vladimir Putin "se negou a vir falar da Síria" em Paris porque "teria sido muito embaraçoso", diante da ofensiva militar russa em Aleppo, estimou o chefe da diplomacia francesa, Jean-Marc Ayrault.

"Putin se negou a vir falar da Síria, é o que é preciso destacar. E lamento isso", declarou à emissora Europe 1 Ayrault, um dia após o presidente russo cancelar sua visita prevista para 19 de outubro.

A presidência francesa havia indicado que François Hollande só receberia Putin se a reunião se consagrasse apenas à Síria.

Putin e Hollande deveriam, a princípio, inaugurar juntos uma exposição em Paris sobre a coleção do mecenas russo Serguei Shchukin. O primeiro também planejava inaugurar uma catedral ortodoxa russa na capital.

O ato "teria sido completamente surrealista" diante da situação na Síria, disse Ayrault. "Putin intensificou os bombardeios em Aleppo, razão pela qual imagino que vir a Paris falar da Síria teria sido muito embaraçoso".

Ayrault também se pronunciou sobre o apelo de seu colega britânico, Boris Johnson, por uma manifestação na embaixada russa de Londres para protestar contra os bombardeios russos em Aleppo.

"Organizar manifestações é o papel de um ministro das Relações Exteriores?", se perguntou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos