CPJ diz que Trump representa 'ameaça à liberdade de imprensa'

Washington, 13 Out 2016 (AFP) - A eleição do republicano Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos representaria "uma ameaça à liberdade de imprensa" no país, com repercussões no exterior, advertiu nesta quinta-feira o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

A instituição aprovou uma resolução que "declara Trump uma ameaça sem precedentes para os direitos dos jornalistas e para a capacidade do CPJ de defender a liberdade de imprensa em todo o mundo".

A dirigente Sandra Mims Rowe declarou que Trump, "através de suas palavras e ações como candidato a presidência dos Estados Unidos, traiu continuamente os valores da Primeira Emenda" constitucional, que garante a liberdade de imprensa.

"Desde o início de sua candidatura, Trump insultou e denegriu a imprensa, e fez da oposição à mídia um eixo de sua campanha. Trump qualificou constantemente a imprensa de 'desonesta' e 'escória'", recordou Rowe.

A dirigente destacou que o enfraquecimento da liberdade de imprensa nos Estados Unidos teria consequências "muito mais graves" para os jornalistas de outros países, pois "alentaria os ditadores e os déspotas a restringir a imprensa em seus próprios países".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos