Adversários do governo líbio ocupam dependências oficiais

Trípoli, 15 Out 2016 (AFP) - O governo líbio apoiado pelas Nações Unidas sofreu um duro golpe neste sábado, depois da ocupação, sem resistência, das dependências do Conselho de Estado pelas antigas autoridades de Trípoli, que anunciaram a retomada de suas funções.

O enviado das Nações Unidas para a Líbia, Martin Kobler, condenou o último desafio à autoridade do Governo de União Nacional (GNA), avisando que isto provocaria "mais distúrbios e insegurança".

Os países ocidentais depositaram toda a sua esperança no GNA para conter o jihadismo no país do norte da África e e impedir a saída de migrantes do seu litoral em direção à Europa.

Liderado pelo primeiro-ministro Fayez al-Sarraj, o GNA foi pensado para substituir as duas administrações rivais, uma em Trípoli e a outra no leste do país.

Ontem, em um comunicado, o chefe do antigo governo de Trípoli, Khalifa Ghweil, assinalou a "legitimidade" de seu "governo de salvação nacional", surgido do antigo Parlamento de Trípoli, o Congresso Geral Nacional (CGN).

Ghweil convocou seus ministros a retomar as funções e considerar "suspensos de suas funções" todos os responsáveis nomeados pelo novo Governo de União Nacional (GNA), apoiado pela ONU.

A capital, Trípoli, estava em calma neste sábado, e não havia sinais de presença militar estranha, incluindo as imediações do Conselho de Estado, cujas dependências foram ocupadas ontem.

Apesar de, em abril, ter perdido todas as instituições e ministérios que controlava em Trípoli em proveito do GNA, Ghweil continuava divulgando comunicados com o selo de seu governo.

Ghweil, que havia perdido o apoio das principais milícias que controlavam Trípoli, leu seu comunicado nas dependências do Conselho de Estado, máxima instância consultiva resultante do acordo político apadrinhado pela ONU.

- 'Única autoridade legítima' -O GNA respondeu com um comunicado prometendo a prisão "dos políticos que tentam criar instituições paralelas e desestabilizar a capital".

O Governo de União Nacional condenou a ocupação da sede do Conselho de Estado por "um grupo armado", e denunciou "novas tentativas de sabotar o acordo político" apadrinhado pela ONU.

Com base no acordo polêmico assinado no fim de 2015 no Marrocos por membros das forças políticas líbias, os 145 deputados do CGN passaram a ser membros do Conselho de Estado.

Martin Kobler expressou neste sábado "forte apoio" ao governo de união, "única autoridade legítima" na Líbia.

"O recurso da força para tomar o poder na Líbia só pode levar a mais distúrbios e a uma espiral de violência da qual o povo líbio é a principal vítima", declarou a União Europeia em um comunicado.

As autoridades do leste da Líbia rejeitam ceder o poder, apoiadas pelas milícias armadas do polêmico general Khalifa Haftar.

Dois governos disputam o poder na Líbia desde a queda do ditador Muamar Khadafi. De um lado, o GNA, instalado em Trípoli e reconhecido pela comunidade internacional; do outro, um gabinete paralelo, com base no leste do país.

A batalha pelo poder se intensificou no mês passado, quando as forças do polêmico general Khalifa Haftar tomaram o controle dos principais portos petroleiros do país.

As tropas de Haftar aproveitaram a ausência dos combatentes leais ao GNA, que estavam lutando contra o grupo jihadista Estado Islâmico na cidade de Sirte (oeste) com o apoio da Força Aérea dos Estados Unidos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos