Argentina avança na lei de paridade de gênero em reforma eleitoral

Buenos Aires, 20 Out 2016 (AFP) - A Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta quinta-feira uma reforma eleitoral que introduz o sistema de votação eletrônica e instaura a paridade de gênero com o objetivo de ampliar pata até 50% a representação feminina, em um país abalado pela violência contra as mulheres.

A reforma passou ao Senado e foi debatida na quarta-feira, com congressistas vestidas de preto, em referência ao slogan que inspirou uma enorme manifestação convocada pelo grupo #NiUnaMenos após o brutal assassinato da adolescente Lucía Pérez em 8 de outubro.

Com 152 votos a favor, 75 contra e 3 abstenções, a iniciativa foi apoiada pelo governismo de centro-direita, pela Frente Renovadora (peronistas de centro-direita), pelo Bloco Justicialista (peronistas de centro) e por outras bancadas menores.

O projeto estabelece que as listas com as candidaturas ao Congresso deverão ser integradas de maneira intercalada com um candidato de cada sexo.

O presidente provisório do Senado, Federico Pinedo, indicou que "o mais desejável é que a Reforma Eleitoral seja sancionada tal como vem da Câmara Baixa", embora tenha votado contra o projeto de paridade de gênero ao considerar que "deveria deixar espaço às pessoas que representam os interesses do povo, para além de seu sexo".

Um dos aspectos que despertou mais polêmicas antes desta votação é a substituição da cédula de papel por um sistema de votação eletrônica, que no caso argentino já funciona em Buenos Aires e na província de Salta (norte).

Os integrantes do bloco kirchnerista Frente para a Vitória (FPV) são os mais críticos ao sistema eletrônico e insistem que a cédula de papel seja mantida.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos