Iraque: atentados e extremistas armados nas ruas de Kirkuk

Kirkuk, Iraque, 21 Out 2016 (AFP) - Dezenas de extremistas do grupo Estado Islâmico (EI) atacaram nesta sexta-feira a cidade de Kirkuk e enfrentaram as forças de segurança nesta cidade do norte do Iraque, poucas horas depois de vários atentados suicidas.

Ao mesmo tempo em que as tropas iraquianas e os combatentes curdos tentam expulsar, desde segunda-feira, os extremistas de Mossul, o último reduto do grupo no Iraque, o EI executou ataques coordenados atrás da linha de combate, em uma zona controlada pelas forças curdas.

Um correspondente da AFP em Kirkuk observou nove homens, "vestidos ao estilo afegão", armados com granadas e fuzis, em uma rua do bairro de Adan.

Testemunhas ouviram explosões e tiros durante toda a manhã. Os canais de televisão locais exibiram imagens da guerrilha urbana em vários pontos da cidade.

"Durante a oração da manhã, vi jihadistas entrando na mesquita de Al-Mohamadi", afirmou à AFP Haidar Abdel Hussein, professor que mora no bairro de Tesaeen.

"Utilizaram os alto-falantes para gritar 'Alá Akbar' (Deus é grande) e 'Dawla al Islam baqiya' (O EI vencerá)", disse.

Em um comunicado para reivindicar uma série de atentados suicidas na região de Kirkuk, a Amaq, a agência de propaganda do grupo, afirma que "as forças do EI atacavam a cidade de Kirkuk a partir de todos os eixos e controlavam quase metade da cidade".

De acordo com as autoridades iraquianas, os atentados foram cometidos nesta sexta-feira contra vários prédios do governo de Kirkuk, onde está em vigor um toque de recolher total. Seis policiais iraquianos morreram nos confrontos.

Em Dibis, na província de Kirkuk, um atentado contra uma central elétrica em construção deixou pelo menos 16 mortos.

Em Kirkuk, uma cidade multiétnica onde convivem várias comunidades religiosas, situada 150 km ao sudeste de Mossul, a Amaq citou ataques suicidas contra a sede do conselho provincial e um hotel do centro da cidade.

De acordo com fontes das forças oficiais, homens armados e com explosivos presos aos corpos atacaram, em plena madrugada, vários edifícios do governo.

"As forças de segurança conseguiram matar um dos criminosos, enquanto os outros três detonaram os explosivos", afirmou um oficial do serviço de inteligência curdo.

Durante a madrugada, três homens-bomba invadiram a central elétrica em construção de Dibis, 40 km ao noroeste da cidade de Kirkuk, informou o prefeito da cidade, Abdullah Nureddin al-Salehi.

Doze funcionários iraquianos e quatro técnicos iranianos morreram, anunciou Al-Salehi. A central estava sendo construída por uma empresa do Irã.

De acordo com o prefeito, o ataque provocou confrontos entre as forças de segurança e os terroristas. Um dos criminosos foi morto antes de conseguir detonar seus explosivos. Os outros dois conseguiram ativar os coletes com bombas quando se viram cercados.

No quinto dia da grande ofensiva para tentar retomar Mossul dos extremistas do EI, uma operação que envolve 30.000 membros das forças de segurança e conta com o apoio da coalizão internacional antijihadista, as tropas do Iraque prosseguem em seu avanço.

Os líderes políticos e as autoridades celebraram os avanços até o momento, mais rápidos que o previsto.

Em Bartala, localidade de maioria cristã reconquistada na quinta-feira, as forças iraquianas estão a apenas 15 km ao leste de Mossul, onde quase 1,5 milhão de civis se encontram bloqueados.

str-sf/fp
 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos