Ortega conquista 3º mandato na Nicarágua; oposição não reconhece resultado

Manágua, 7 Nov 2016 (AFP) - O presidente Daniel Ortega avança para obter a reeleição na Nicarágua, apesar das críticas de nepotismo e de uma alegada grande abstenção por parte da oposição, que não reconhece o resultado da votação.

De acordo com a apuração de 66,3% das urnas divulgada pelo Conselho Supremo Eleitoral (CSE), o líder sandinista aparece com 72,1% dos votos, contra 14,2% para o candidato de direita do Partido Liberal Constitucionalista (PLC), Maximino Rodríguez.

O presidente do CSE, Roberto Rivas, agradeceu o "alto grau de participação e civismo" da população na eleição, que calculou em 65,3%. A oposição, no entanto, afirma que a abstenção chegou a 70%.

Após a divulgação do resultado preliminar, simpatizantes de Ortega e de sua esposa Rosario Murillo, que será vice-presidente, comemoraram na Praça das Vitórias, zona oeste de Manágua.

Ortega governou a Nicarágua entre 1979 e 1990, durante a revolução sandinista, e depois a partir de 2007.

Mas a oposição considerou que a eleição foi marcada por uma abstenção em massa, mesmo em locais onde a influência do partido de Ortega, a Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN), é tradicional.

"É evidente em todo o país que o abstencionismo foi grande. Nós calculamos de 70% a 80% de abstenção", afirmou a líder da opositora Frente Ampla pela Democracia (FAD), Violeta Granera.

"Não reconhecemos os resultados desta farsa e, com a força de vontade manifestada pelo povo da Nicarágua, a declaramos nulas", disse Granera.

Na eleição legislativa, a FSLN aparece com 66,4% dos votos, enquanto o PLC tem 14,7%.

O dia de votação foi considerado tranquilo, mas as organizações de defesa dos direitos humanos e a imprensa citaram casos de violência, não confirmados a princípio pelas autoridades.

O Centro Nicaraguense dos Direitos Humanos (CENIDH) informou as mortes de três simpatizantes do Partido Liberal Independente (PLI) em Cidade Antiga, perto da fronteira com Honduras, em um suposto confronto com militares.

No município de Nova Guiné, ao leste de Manágua, um centro de votação foi incendiado, de acordo com a imprensa.

- Esposa e vice-presidente -Ortega, que completará 71 anos em 11 de novembro, governará em seu terceiro mandato ao lado da esposa e braço-direito, Rosario Murillo, que será vice-presidente.

Militante sandinista desde a década de 1970, esta excêntrica poetisa de 65 anos, conhecida por seu estilo autoritário, é adorada pelos simpatizantes de Ortega e apelidada de "bruxa" pelos opositores.

Murillo, que trouxe três filhos de um primeiro casamento, teve seis crianças com Ortega, incluindo uma menina por adoção, e criou um filho apenas do presidente.

"Durante os últimos dez anos, a senhora Murillo assumiu em muitas ocasiões as funções de chefe de Estado", disse à AFP por e-mail Verónica Rueda Estrada, especialista em Nicarágua da Universidade de Quintana Roo, no México.

A oposição, que qualifica as eleições como uma "farsa", busca impedir que Ortega, que controla todo o aparato estatal, instaure uma nova dinastia no país similar à da família Somoza, que governou a Nicarágua entre 1934 e 1979.

O Conselho Nacional de Universidades (CNU), um dos organismos locais credenciados para observar a eleição, destacou a tranquilidade e a ordem com que transcorreu o processo, segundo seu presidente, Telémaco Talavera.

O chefe do exército, general Julio Avilés, e a diretora da polícia, Aminta Granera, coincidiram em que em todo o país há tranquilidade.

Os nicaraguenses compareceram às urnas para escolher o presidente e o vice-presidente, além de 90 deputados da Assembleia Nacional e outros 20 do Parlamento Centro-Americano.

Empréstimos em riscoNos últimos 10 anos, Ortega acumulou um enorme poder político e econômico graças à condução de seu partido, uma aliança com o setor empresarial e o apoio da Venezuela.

Segundo dados oficiais, entre 2007 e o primeiro semestre de 2016 a Nicarágua recebeu quase 4,8 bilhões de dólares em empréstimos em condições favoráveis e investimentos da Venezuela, que foram administrados fora do orçamento e sem fiscalização.

A maior parte deles foi investida em projetos de energia, desenvolvimento de comércio, grupos empresariais, agricultura, construção de casas e programas sociais que permitiram reduzir a pobreza de 42,5% a 29,6% entre 2009 e 2014.

Mas a crise política e os baixos preços do petróleo afetaram os fluxos de cooperação e o comércio com a Venezuela, que até 2015 era o segundo sócio em importância da Nicarágua, depois dos Estados Unidos.

No entanto, de acordo com o analista Cirilo Otero, professor de sociologia da Universidade Centro-Americana, o governo se preparou para sobreviver sem a Venezuela, buscando petróleo em outros mercados, como Estados Unidos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos