Especialista lamenta falta de prevenção sísmica na Itália

Roma, 8 Nov 2016 (AFP) - O centro da Itália, sacudido por três terremotos em pouco menos de dois meses, ainda está ameaçado por um forte sismo, advertiu na terça-feira um especialista italiano, que afirma que a prevenção continua sendo insuficiente.

"Pensamos que esta sequência durará um pouco e não podemos excluir que haja outros acontecimentos importantes", declarou o presidente do Instituto Nacional de Geofísica e Vulcanologia (INGV), Carlo Doglioni.

Na Itália, os danos aparecem com terremotos de magnitude superior a 5,5, explicou em uma reunião com a imprensa estrangeira. Oito tremores com mais de 5,5 graus foram registrados no país durante os últimos dez anos, três deles desde 24 de agosto passado.

"Toda a Cordilheira dos Apeninos e a cadeia alpina são zonas de elevado risco sísmico", lembrou o especialista.

Para Doglioni, no entanto, a Itália continua no final da fila em matéria de prevenção de riscos. Infelizmente, está "na natureza do italiano fazer pouca prevenção", lamentou.

"Em matéria de prevenção, podemos e devemos trabalhar. Na Itália, está claro que o tecido urbano é tão difuso, tão antigo, que para uma atividade deste tipo serão necessárias várias décadas. Temos que começar, e este é provavelmente um bom momento para fazê-lo, tendo em conta que já esperamos demais", explicou.

O INGV dispõe de várias estações sísmicas em todo o país para medir qualquer atividade sísmica, com 250 equipamentos de GPS que permitem avaliar os movimentos da crosta terrestre.

Durante o último terremoto, em 30 de outubro, o tremor de 6,5 graus de magnitude provocou em alguns lugares um deslocamento do solo de 70 cm, segundo este instituto.

ob-sl/fcc/mct/es/mb/db

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos