Na internet, extremistas islâmicos celebram a vitória de Trump

Cairo, 10 Nov 2016 (AFP) - Foi com grande alegria que os islamitas extremistas receberam a vitória de Donald Trump, que comemoram nas redes socais as vantagens da eleição do magnata que é abertamente hostil ao mundo muçulmano.

Antes da eleição, o grupo extremista Estado Islâmico (EI), perseguido no Iraque e na Síria por uma coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos, tinha considerado não haver diferença real entre o bilionário populista e sua rival Hillary Clinton.

Mas, quando o resultado da eleição se aproximava, alguns partidários da organização extremista não esconderam seu entusiasmo no aplicativo de mensagem instantânea criptografada Telegram com a vitória de Trump.

"Alegram-te, ele irá mostrar a cara feia da América", segundo um usuário.

"A vitória de Trump é uma boa coisa para a nação muçulmana", entusiasmou-se outro, antes de explicar: "Eu estou otimista (...), porque ele é um touro estúpido, arrogante e presunçoso e é mais besta que (George) Bush".

"A vulgaridade de Trump vai constranger os tiranos árabes e expandir o campo da jihad", garantiu um participante de um fórum de discussão on-line, com a participação de apoiantes do EI.

Ao longo de sua campanha, o bilionário populista não hesitou em atacar a comunidade muçulmana: seja propondo proibir aos muçulmanos a entrada nos Estados Unidos, ou através de sua língua afiada contra a Arábia Saudita e sua monarquia, detestada pelos jihadistas.

Se o EI não reagiu oficialmente à eleição de Trump, o grupo considerou que os dois candidatos estavam "comprometidos ao lado do Estado judeu e na guerra contra o Islã", de acordo com um artigo em inglês compartilhado nas redes sociais por um de seus organismos de propaganda, Al-Hayat.

'Mulher feminista'No entanto, Hillary Clinton "é melhor qualificada para o 'politicamente correto', o que lhe dá uma vantagem para esta feitiçaria, que é a hipocrisia", ressaltou o grupo, denunciando "uma mulher feminista".

Trump - que no passado havia indicado em uma linguagem vulgar que ele queria "bombardear a fundo" o EI - é "impulsivo e imprevisível", afirmava o artigo.

Alguns partidários do EI, no entanto, considerou escandalosa a ideia de celebrar a vitória de qualquer candidato para uma eleição "politeísta".

"Ambos são tiranos, e nós só queremos cortar suas cabeças", disse um deles.

Outros extremistas comemoraram o anúncio das manifestações anti-Trump, exagerando a violência que poderiam acontecer.

"Louvado seja Deus, que ele aumente essa reação", comemorou um usuário, em resposta a um vídeo mostrando opositores de Trump agredindo um de seus partidários.

Outro usuário lançou um "apelo urgente" em um fórum de discussão, incentivando os partidários do EI a tuítar mensagens "racistas" pró e anti-Trump.

"Podemos assim inflamar os conflitos e a instabilidade em seu país, talvez eles vão retirar os seus exércitos, ou vão se distrair do nosso precioso Estado", explicou ele, referindo-se ao "Califado", proclamado pelo EI sobre os territórios conquistados no Iraque e na Síria.

Para o ideólogo da Al-Qaeda Abu Mohammed al-Maqdisi, que vive na Jordânia, "Trump no poder poderia ser o início de uma divisão nos Estados Unidos e da era de desintegração", estimou no Twitter.

Mas estes extremistas representam uma pequena minoria. Muitos muçulmanos nos Estados Unidos e ao redor do mundo receberam com horror os resultados da eleição.

"Sinto muito por todos os americanos e muçulmanos (...). Eu sinto muito que vocês terão que tolerar tal idiota. #Oremos", lamentou um usuário no Twitter.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos