Coesão do governo israelense de Netanyahu é colocada à prova

Jerusalém, 16 Nov 2016 (AFP) - O Parlamento israelense adotou nesta quarta-feira em leitura preliminar um polêmico projeto de lei sobre a legislação das casas construídas por colonos israelenses a Cisjordânia ocupada em terradas particulares palestinas.

Este texto criticado no exterior foi adotado com o apoio do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e diz respeito entre 2.000 e 3.000 habitações na Cisjordânia. Ele ainda deve ser votado em três leituras pelo Parlamento antes de se tornar lei.

A votação aconteceu depois de um compromisso de última hora entre Netanyahu e seu ministro das Finanças Moshe Kahlon, chefe do partido centrista Kulanu, que votou a favor.

Moshe Kahlon alertou que o seu partido se reservava o direito de "bloquear o texto se nas próximas fases de sua adoção violasse o Supremo Tribunal", sem dar mais detalhes.

Ele estava se referindo ao papel crucial desempenhado neste caso pela mais alta instância judiciária israelense, que ordenou a demolição até 25 de dezembro da colônia chamada de Amona.

Amona está no centro da mobilização daqueles que defendem a colonização e os promotores do texto aprovado nesta quarta-feira.

O líder da oposição trabalhista, Isaac Herzog, denunciou o projeto de lei, proclamando que era "contrário à lei israelense e ao direito internacional, porque legaliza o roubo" de terras.

A análise do texto pelo Parlamento nesta quarta foi apenas preliminar, mas a votação já coloca à prova a coalizão governamental, confrontada ao seu teste mais crítico desde a sua formação em maio de 2015.

O texto foi aprovado no domingo por comissão do governo de sete ministros.

Os ministros do partido nacionalista religioso Pátria Judaica decidiram, assim, desafiar o primeiro-ministro e colocar o texto em votação.

Este texto tem como objetivo evitar, em primeiro lugar, o desmantelamento do assentamento de Amona, lar de quarenta famílias israelenses na Cisjordânia, território palestino ocupado por Israel desde 1967.

Para Hanan Cristal, comentarista político da rádio pública, o líder do Pátria Judaica Naftali "Bennett se apropriou de um direito de veto ideológico para tudo o que diz respeito à colonização e assim conseguiu ditar a agenda do governo (...) É uma vitória suficiente para ele".

No entanto, a revolta da direita e do lobby dos colonos ajudou a derrubar governos de direita no passado, incluindo o primeiro gabinete liderado por Benjamin Netanyahu, em 1999, que havia aceitado o princípio de uma retirada parcial da Cisjordânia durante uma cúpula em Wye Plantation, nos Estados Unidos, diz ele.

jlr-lal-dms/nbz/mr/cc

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos