Greve restringe acesso a Machu Picchu, joia do turismo do Peru

Lima, 16 Nov 2016 (AFP) - Uma greve de 48 horas no povoado de Aguas Calientes, ao pé da montanha onde está localizada a cidadela pré-colombiana de Machu Picchu, restringiu o acesso às ruínas incas devido à suspensão do serviço de trens, informaram autoridades.

A paralisação pacífica termina nesta quarta-feira, após reduzir o número de visitantes a 1.000, menos da metade dos que costumam entrar em um dia normal na pétrea Machu Picchu, a joia da coroa do turismo no Peru.

"Houve uma redução de visitantes, entraram aproximadamente 1.000 turistas de um total de 3.500/4.000, em média", disse à rádio RPP Fernando Astete, diretor do parque arqueológico Machu Picchu ao fazer um balanço sobre o fluxo de visitantes.

"Infelizmente não tivemos mais visitantes porque não houve transporte ferroviário", afirmou Astete.

A greve foi organizada pela Frente de Defesa do Machu Picchu, que denuncia supostos abusos das empresas ferroviárias, às que pedem tarifas mais econômicas para os habitantes locais e um trem de serviço para eles. A ferrovia é a principal via de acesso a Machu Picchu.

Os manifestantes tinham ameaçado ocupar a ferrovia que liga Machu Picchu a Cusco, e as empresas de trens, Perú Rail e Inca Rail, anunciaram na terça-feira a suspensão do serviço por motivos de segurança.

Machu Picchu, patrimônio cultural da Humanidade pela Unesco, é uma cidadela de pedra construída no século XV pelo imperador inca Pachacuti.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos