Dinamarca suspende acolhida de refugiados proposta pela ONU

Copenhaga, 22 Nov 2016 (AFP) - A Dinamarca anunciou nesta terça-feira (22) que não vai receber - até segunda ordem - a cota anual de cerca de 500 refugiados proposta pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur).

A decisão foi anunciada pela ministra dinamarquesa da Imigração e da Integração, Ingrid Støjberg, durante uma reunião da Comissão Parlamentar sobre a Imigração, retransmitida on-line.

"Isso dará às prefeituras um pouco de pausa e de espaço para cuidar melhor dos que já chegaram aqui", declarou.

Støjberg, que representa a restritiva política de imigração do governo de centro-direita da Dinamarca, anunciou em agosto passado que a acolhida prevista para este ano de 491 refugiados foi adiada.

"A Dinamarca tem a responsabilidade de ajudar as pessoas que querem se refugiar, mas também temos a responsabilidade de manter a coesão econômica, social e cultural da Dinamarca", justificou.

A decisão foi aprovada por dois dos maiores partidos do Parlamento, e que não integram o governo: os social-democratas e o Partido Popular Dinamarquês (anti-imigração).

País de 5,7 milhões de habitantes, a Dinamarca registrou, como seus vizinhos, um pico dos pedidos de asilo em 2015 (21 mil), caindo em 2016 (5.700 até agora), em razão do fechamento de múltiplas fronteiras na Europa.

A passagem pelo território de inúmeros migrantes que buscam chegar à Suécia levou o governo a tomar uma série de medidas dissuasivas, incluindo a possibilidade de confiscar bens para ajudar a pagar sua acomodação.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos