Regime sírio se aproxima de seu objetivo de controlar totalmente Aleppo

Alepo, Síria, 4 dez 2016 (AFP) - Aleppo era neste domingo palco de violentos combates entre rebeldes e forças do regime de Damasco, cada vez mais perto de seu objetivo de controlar totalmente a segunda cidade da Síria, parcialmente em mãos insurgentes desde 2012.

Em seu vigésimo dia de grande ofensiva, o regime lançou uma profusão de bombas e barris com explosivos contra os bairros rebeldes. Em terra, seu exército avançava com o apoio de combatentes estrangeiros, em especial iraquianos e libaneses.

Segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), o governo tem agora sob seu controle cerca de 60% do setor rebelde de Aleppo.

"Há violentos combates no bairro de Karam al Myesar", a leste de Aleppo, assim como em bairros vizinhos que o regime começou a reconquistar no sábado, segundo o OSDH, que tem uma ampla rede de informação na Síria.

A batalha por Aleppo segue provocando grandes protestos internacionais pela morte de centenas de civis e pelo êxodo de outras dezenas de milhares. Por sua vez, a ONU pede a autorização da entrada de comboios humanitários em Aleppo-Oriental.

- Ajuda incondicional -Tão impotente quanto a comunidade internacional para mudar o rumo da guerra, a oposição política síria lançou neste domingo um novo apelo neste sentido.

O Alto Comitê de Negociações (ACN) pediu "ao Conselho de Segurança e à comunidade internacional que assumam suas responsabilidades e atuem imediatamente para que os bombardeios e massacres cessem (...) e garantam a distribuição de ajuda humanitária incondicional", indica em um comunicado.

Ao menos 311 civis, incluindo 42 crianças, morreram nos bairros rebeldes no leste de Aleppo desde o início da ofensiva. Além disso, 50.000 de seus 250.000 habitantes abandonaram seus lares neste setor.

No oeste da cidade 70 civis faleceram, entre eles 28 crianças, por disparos rebeldes, segundo o OSDH.

Confiante em seu avanço, o exército sírio pediu na noite de sábado aos "moradores dos bairros do nordeste de Aleppo que voltassem as suas casas agora que o exército restaurou a segurança".

- "Vencemos a guerra" -Dividida desde 2012 entre um setor rebelde (leste) e um governamental (oeste), Aleppo se converteu no principal front do conflito sírio, que deixou desde 2011 mais de 300.000 mortos.

A Rússia não participa dos atuais bombardeios de Aleppo, mas sua intervenção militar de apoio ao regime desde setembro de 2015 contribuiu para debilitar os rebeldes.

No sábado, em Roma, o enviado da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, fez um apelo à "influência da Rússia ou do Irã" para convencer o presidente Bashar al-Assad a "abrir uma verdadeira negociação".

A vitória que se esboça em Aleppo corre o risco de impulsionar o regime sírio a dizer: "Vencemos a guerra e, portanto, não precisamos de negociações", mas "espero que não" vai acontecer isso, acrescentou De Mistura.

bur-Iw/jri/me/es/ma

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos