Apesar dos investimentos, educação científica está estancada (OCDE)

Paris, 7 dez 2016 (AFP) - O rendimento dos estudantes de Ensino Médio em Ciências se paralisou na última década, de acordo com o informe PISA 2015 da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) publicado nesta terça-feira.

Cingapura lidera o ranking, enquanto os países latino-americanos seguem abaixo da média.

"Apesar dos grandes avanços científicos e tecnológicos realizados desde 2006 e dos investimentos em massa em educação nos países que participam do estudo PISA, o rendimento médio dos estudantes em Ciências se manteve praticamente inalterado", afirmou a diretora do gabinete da OCDE, Gabriela Ramos, em Paris.

Desde 2006, ano de publicação da última edição do informe do Programa para a Avaliação Internacional de Alunos (PISA, na sigla em inglês), dedicado ao rendimento científico, os países investiram grande volume de recursos em educação.

Esses investimentos não tiveram, porém, os resultados esperados.

"É um pouco decepcionante ver que não houve progressos nas competências científicas dos jovens", admitiu o especialista em Educação da OCDE Éric Charbonnier.

As competências em Ciências dependem menos dos recursos materiais do que do tempo que os estudantes dedicam a essa matéria e aos métodos de ensino, aponta a organização.

"Não importa apenas quanto se gasta, mas como", resumiu o analista Carlos González Sancho, também da OCDE.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos