Oposição venezuelana congela diálogo para exigir saída eleitoral

Caracas, 6 dez 2016 (AFP) - O diálogo para superar a crise política venezuelana foi congelado: a oposição anunciou que voltará à mesa de negociações apenas quando o governo aceitar adotar uma saída eleitoral para o conflito - uma possibilidade remota - e libertar os "presos políticos".

As conversas ficam estancadas, às vésperas da terceira reunião do processo iniciado em 30 de outubro sob a mediação do papa Francisco e da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

"Continuamos no mecanismo de diálogo, mas não vamos participar", declarou o secretário-executivo da coalizão Mesa da Unidade Democrática (MUD), Jesús Torrealba, referindo-se ao encontro com o governo nesta terça-feira (6).

Segundo ele, a oposição manterá contato "unicamente" com os facilitadores, em especial com os representantes do Vaticano.

Nesta terça, dois delegados da MUD se reuniam com o monsenhor Claudio María Celli, enviado do papa Francisco, para conversar sobre os "presos políticos", especialmente um grupo de 14 pessoas que se declarou em greve de fome no domingo (4).

A MUD já havia antecipado que deixaria a mesa, se o governo Nicolás Maduro se negasse a cumprir o que foi acertado. Essa lista de demandas inclui uma saída eleitoral para a crise, seja pela reativação do processo para um referendo revogatório contra Maduro - suspenso em 20 de outubro -, seja pela antecipação das eleições previstas para 2018.

O presidente Maduro descarta que esse tema e a libertação dos opositores presos - outra exigência prioritária - entrem na agenda de discussões.

"Não vejo que o governo esteja disposto a ceder nos pedidos essenciais da MUD (...), porque perderia em todos os cenários", disse à AFP a cientista política Francine Jácome, para quem o diálogo nessas condições é "inviável".

Choque com VaticanoA MUD também quer que o governo aceite doações internacionais de alimentos e de remédios e que a Justiça suspenda a medida de "desacato" ditada contra o Parlamento, de maioria opositora.

"Seria negador do que é uma negociação permanecermos sentados ali como se não estivesse acontecendo nada. O governo não apenas descumpre, como nega todos os acordos", afirmou Torrealba, em seu programa de rádio.

Maduro também acusa a MUD de descumprir seus compromissos, em particular os que permitiriam que o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) revogasse a medida de "desacato" contra o Poder Legislativo.

Acusada pela oposição de servir ao chavismo, a corte inabilitou a Assembleia de empossar três deputados, cuja eleição foi suspensa por suspeita de fraude. Apesar de terem pedido sua desvinculação em 15 de novembro, o TSJ exige que sejam afastados mediante um ato parlamentar.

Enquanto isso, o governo vem reiterando que não vai abandonar o diálogo.

"Nós não vamos sair daqui", declarou na segunda-feira (5) o número dois do chavismo, Diosdado Cabello, ao criticar em duros termos o secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin, por uma carta enviada pelo religioso a Maduro.

Em alusão indireta à carta, o presidente denunciou uma trama para "implodir" o diálogo por parte da oposição.

Fontes da MUD disseram à AFP que o governo poderá, ainda hoje, entregar propostas à coalizão, com o objetivo de desbloquear o processo.

Chavismo acusaAnalistas como John Magdaleno consideram que o governo já atingiu seu objetivo de "ganhar tempo", pois desmobilizou os protestos - em escalada, antes do diálogo - para exigir a realização do referendo.

Isso permitiria a Maduro chegar a 10 de janeiro de 2017. A partir dessa data, mesmo que seu mandato seja revogado, a Constituição prevê que seu substituto seja o vice-presidente. Com isso, o chavismo poderá continuar no poder até 2019 pelo menos.

Segundo Jácome, o governo também conseguiu "dividir a oposição", já que alguns partidos nunca participaram da mesa de diálogo. A MUD se propôs a conversar sem renunciar à estratégia de ocupar as ruas, mas não voltou a convocar passeatas.

Dirigentes como o presidente do Parlamento, Henry Ramos Allup, não descartam que o governo solte alguns membros da oposição para dar novo fôlego à mesa de diálogo, mas adverte que a oposição continuará nela apenas se as demais exigências forem atendidas.

Seis opositores foram libertados desde o início das negociações, o que a oposição apresentou como uma vitória.

avs-axm/ja/tt

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos