Jornalista lembra videochamada de Erdogan que frustrou golpe na Turquia

Istambul, 8 dez 2016 (AFP) - Uma das imagens que entrou para a história no dia 15 de julho, quando um grupo de militares golpistas tentou tomar o poder na Turquia, foi a videochamada do presidente Recep Tayyip Erdogan à jornalista da CNN-Türk Hande Firat.

"Olá, por favor, senhor presidente, estamos te ouvindo", disse Firat ao vivo, mostrando seu iPhone na tela. Através do aplicativo FaceTime era possível ver Erdogan, com o semblante pálido, mas decidido a fazer o golpe contra ele fracassar.

A comunicação foi crucial para o desenrolar dos acontecimentos, já que mostrou que Erdogan estava vivo e disposto a retomar o controle.

Esta chamada de seis minutos transformou Hande Firat, apresentadora e chefe da redação de Ancara da CNN-Türk, em um símbolo do golpe de Estado frustrado e em uma celebridade em nível nacional.

A conversa foi interrompida por várias chamadas, mas a comunicação era boa e através do telefone, segurado por Firat, às vezes com as mãos trêmulas, Erdogan pôde convocar seus partidários a sair às ruas.

Horas mais tarde, o presidente turco foi aclamado triunfalmente em Istambul e os golpistas se renderam.

O episódio também fez com que saltasse à fama o telefone branco da jornalista, que contou ter recebido ofertas milionárias da Turquia e inclusive do Catar e da Arábia Saudita.

"Não o vendi", declarou Firat sorrindo. "Está guardado a salvo em uma caixa. Eu não o uso (...) por medo de que caia e quebre", reconheceu.

- 'Telefone da liberdade' -Desde aquela noite, Hande Firat lembra, sobretudo, do sentimento de incerteza, já que parecia que o país afundava no caos, à medida que os tanques avançavam em direção a locais estratégicos, os aviões dos golpistas sobrevoavam Istambul e Ancara e o Parlamento era bombardeado.

"Ali disse: Meu Deus! Estamos nos tornando outro país? Está começando uma guerra civil? Qual será a situação amanhã?", contou.

Naquele momento, uma das incógnitas era o destino de Erdogan, que passava suas férias no sudoeste do país.

Depois que conseguiu se conectar com Erdogan, só se concentrou na entrevista e não pensou nas potenciais consequências da comunicação.

"Quando estava ao vivo, estava muito nervosa e muito preocupada. Mas você se concentra em seu trabalho do momento", contou. "Mais que pensar no que vai acontecer depois, você se concentra no fato de que o presidente está vivo e pode ser visto na tela do telefone".

"Recebi muitas mensagens do mundo árabe no Twitter que me diziam: 'Obrigada!', 'é o telefone da liberdade' e 'você mudou o destino desta região'", contou a jornalista.

Ao ser questionada sobre se a fama pode ofuscar seu trabalho, Firat reconheceu que às vezes pensa nisso.

"Mas também sei que isso faz parte do meu trabalho, contar o que ocorreu naquela noite", concluiu.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos