Diretor do FBI escondeu informação sobre ciberpirataria russa, diz senador

Washington, 10 dez 2016 (AFP) - O senador democrata Harry Reid disse neste sábado (10) que o diretor do FBI (a Polícia Federal americana), James Comey, ocultou deliberadamente informação sobre a ciberpirataria russa, com o objetivo de favorecer a eleição do republicano Donald Trump.

Segundo Reid, líder democrata que se aposenta no fim do mês, o diretor do FBI já tinha essa informação, provando que a Rússia interferiu na eleição presidencial de novembro a favor de Trump, mas não a divulgou.

"O FBI tem este material há muito tempo", disse ele à MSNBC.

"Mas Comey, que é republicano, se recusou a divulgar essa informação sobre a interferência russa na eleição presidencial", acrescentou.

Ele "deveria ser investigado pelo Senado" e por "outras agências do governo, incluindo as agências de segurança. Se alguma vez houve uma questão de segurança em jogo, é agora", disse Reid.

Comey "decepcionou o país por razões partidárias", denunciou o senador democrata, classificando-o como "o novo J. Edgar Hoover", em alusão ao poderoso diretor do FBI que, durante um longo tempo, de 1935 a 1972, fez espionagem interna contra dissidentes políticos e reuniu arquivos com "podres" de lideranças políticas.

Conforme publicado pelo jornal The Washington Post na sexta-feira, uma avaliação secreta da CIA (a agência americana de Inteligência) determinou que a Rússia interferiu nas eleições americanas para ajudar o republicano Donald Trump a chegar à Casa Branca.

De acordo com o jornal The New York Times, as agências americanas de Inteligência "acreditavam fortemente" que "hackers" russos invadiram o sistema informático do Comitê Nacional Republicano e do Democrata. Divulgaram apenas as informações dos democratas.

Hoje, os republicanos se pronunciaram contra as conclusões da CIA.

A equipe de transição de Trump negou a informação, alegando que os autoridades de Inteligência "são os mesmos que garantiram que (o ex-ditador iraquiano) Saddam Hussein tinha armas de destruição em massa".

Já o porta-voz do Comitê Nacional Republicano, Sean Spicer, disse à rede de televisão CNN que a CIA "se engana".

"Não aconteceu", insistiu.

O senador Chuck Schumer, que assume a liderança da minoria democrata na Casa em janeiro, quer que o Congresso abra uma investigação sobre o assunto.

"Que qualquer país tenha conseguido se intrometer nas nossas eleições deveria abalar os dois partidos", afirmou.

"É necessário que os membros da Inteligência (americana) deem qualquer informação relevante (que tenham) para que o Congresso possa realizar uma investigação exaustiva", completou o senador.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos