Trump nomeia CEO da ExxonMobil como secretário de Estado

Washington, 14 dez 2016 (AFP) - Donald Trump anunciou nesta terça-feira (13) a nomeação de Rex Tillerson, CEO da ExxonMobil e empresário de laços fortes com a Rússia, para conduzir o Departamento de Estado, em meio à polêmica sobre a interferência russa nas recentes eleições presidenciais.

Tillerson, de 64 anos, fez toda sua carreira no gigante petrolífero e é considerado um dos empresários com melhores vínculos entre as autoridades russas desde que administrou um consórcio de exploração de petróleo na ilha Sakhalin, no leste da Rússia.

Em 2013, o presidente russo, Vladimir Putin, condecorou Tillerson com a Ordem da Amizade. Nos últimos anos, Tillerson também foi um aberto opositor das sanções econômicas impostas por Washington a Moscou.

O nome de Tillerson passou a ser considerado na segunda-feira (12) como o candidato mais firme para conduzir a diplomacia americana, cargo pelo qual se enfrentaram verdadeiros pesos-pesados da política e dos negócios.

Em uma nota oficial, Trump destacou que, com a nomeação de Tillerson, "os americanos voltam a ter um líder de classe mundial trabalhando por eles".

À frente da imensa máquina diplomática que é o Departamento de Estado, Tillerson terá como prioridade a defesa "dos interesses americanos" e ajudará a "reverter anos de Política Externa equivocada que enfraqueceram a segurança e a posição dos Estados Unidos no mundo".

Tillerson - disse Trump - "sabe como administrar uma organização global e como navegar de forma bem-sucedida pela complexa arquitetura dos negócios mundiais e pelos diversos líderes estrangeiros".

Relações problemáticasInstantes depois de saber da nomeação, a Chancelaria russa reagiu, afirmando que o futuro secretário tem "boas relações de trabalho" com Putin.

Para o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, Tillerson é um "pragmático", enquanto o porta-voz da pasta, Yuri Uchakov, definiu-o como "uma personalidade sólida".

Já o secretário-geral da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Mohamed Barkindo, celebrou a nomeação de Tillerson, avaliando que ele é "mais do que qualificado" para o cargo.

"Há muito poucas diferenças entre o petróleo, a geopolítica e a diplomacia", afirmou o nigeriano, em um seminário em Washington organizado pelo "think tank" Center for Strategic and International Studies (CSIS).

Nos Estados Unidos, porém, a proximidade de Tillerson com a Rússia pode se transformar em um enorme problema para Trump, já que o novo secretário de Estado ainda deverá ser confirmado pelo Senado.

O influente senador conservador John McCain disse ontem à rede de televisão CNN que Putin "é um tirano e um assassino, não vejo como (Tillerson) pode ser amigo de um ex-agente da KGB".

O também senador republicano Marco Rubio afirmou, por sua vez, que "ser um amigo de Vladimir não é uma característica que eu espero de um secretário de Estado".

O senador democrata Ben Cardin foi outro que questionou o anúncio, sugerindo que sua confirmação pode enfrentar resistência de ambos os partidos.

Cardin disse se sentir "profundamente perturbado com a oposição do senhor Tillerson às sanções dos Estados Unidos contra a Rússia".

Três ex-funcionários de alto perfil do governo de George W. Bush - o vice-presidente Dick Cheney, a secretária de Estado Condoleezza Rice e o secretário da Defesa Robert Gates - defenderam o nome de Tillerson.

Em nota, Rice disse que se trata de "uma opção excelente" para conduzir a diplomacia por "sua incrível e ampla experiência internacional" e por sua convicção do "papel especial dos Estados Unidos no mundo".

Nesse contexto, o Congresso se prepara para investigar os ataques cibernéticos e as interferências russas na eleição americana. O movimento acentua a pressão sobre Moscou, embora Trump busque uma aproximação com os russos.

De acordo com o jornal The Washington Post, a CIA (a agência de Inteligência americana) concluiu, em um relatório secreto, que a Rússia atuou nos ciberataques durante a campanha eleitoral para ajudar na eleição de Trump, e não com o objetivo mais generalizado de minar o bom desenvolvimento das eleições.

O sucessor de Barack Obama rejeitou essas conclusões, as quais classificou como "ridículas" em uma entrevista à Fox News.

"A menos que você surpreenda em flagrante delito os hackers, é muito difícil determinar quem esteve por trás da pirataria", tuitou Trump na segunda-feira.

Em outubro, os serviços de Inteligência americanos acusaram a Rússia de ter hackeado os partidos políticos dos EUA com o objetivo de interferir no processo eleitoral.

"Os russos não são nossos amigos", advertiu ontem o chefe da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, durante uma coletiva de imprensa.

Primeira advertência chinesaAlém da polêmica com a Rússia, Tillerson terá outro tema delicado a tratar quando assumir seu cargo, em 20 de janeiro: as relações com a China.

Desde o início deste mês, Trump multiplicou suas críticas declarações sobre Pequim, que pareceu, no entanto, ter recebido com benevolência sua eleição em 8 de novembro.

O regime chinês lançou uma primeira advertência na segunda-feira, em nome da defesa de seu "princípio de uma China única", ameaçado por Trump no domingo.

"Não entendo por que devemos estar ligados à política de uma China única, a não ser que cheguemos a um acordo para obter outras coisas, inclusive no comércio", declarou Trump no domingo.

O presidente eleito já havia ignorado o princípio de "uma China única" no início de dezembro ao atender a um telefonema da presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, para irritação do governo chinês.

"Tomamos nota dessas informações e estamos gravemente preocupados", advertiu em uma coletiva de imprensa o porta-voz do Ministério chinês das Relações Exteriores, Geng Shuang, em alusão às declarações de Trump.

ahg-bur/cd/ma/tt/lr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos