Vítimas de antiepilético lançam demanda coletiva contra Sanofi na França

Paris, 13 dez 2016 (AFP) - Uma associação francesa de vítimas de um antiepilético anunciou nesta terça-feira que apresentará uma demanda coletiva contra o laboratório farmacêutico Sanofi, acusado de não ter informado às grávidas de que o remédio podia causar malformações fetais.

Cerca de 14.000 grávidas tomara o antiepilético Dépakine na França entre 2007 e 2014. A ingestão desde medicamento durante a gestação provoca um risco alto de malformações congênitas, autismo e retardo psicomotor.

O advogado da associação Apesac, Charles Joseph-Oudin, indicou que enviou uma carta ao grupo francês Sanofi para "pedir que aceitem sua responsabilidade e indenizem as vítimas".

A Apesac, formada por cerca de 2.000 famílias, denuncia que o laboratório não informou às grávidas sobre os riscos que corriam se tomassem este remédio, apesar de que "sabiam dos riscos desde o início de 1980", segundo Joseph-Oudin.

A Sanofi tem um prazo de quatro meses para responder a associação. Após este período, a Apesac poderá recorrer à justiça para que esta "reconheça a responsabilidade do laboratório".

ez/meb/mb/db

SANOFI

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos