Eurozona suspende alívio da dívida da Grécia após medidas de Tsipras

Bruxelas, 14 dez 2016 (AFP) - O anúncio de medidas sociais na Grécia desagradou alguns credores de Atenas na Zona do Euro, que anunciaram nesta quarta-feira a suspensão do alívio da dívida acertada com os gregos.

"As instituições chegaram à conclusão de que as medidas adotadas pelo governo grego não estão em consonância com seus compromissos", declarou Michel Reijns, porta-voz da presidência do Eurogrupo, para quem agora não existe "unanimidade" sobre a implementação das "medidas de curto prazo" adotadas pela Zona do Euro.

Os ministros dos 19 países do euro acertaram em 5 de dezembro passado medidas técnicas sobre as taxas de juros e os vencimentos de algumas parcelas da dívida grega, cujo impacto de dezenas de milhões de euros é limitado em relação aos 315 bilhões de euros do total da dívida pública da Grécia.

O Eurogrupo fez estas concessões a Atenas porque pôde completar uma nova rodada de duras reformas, exigida ao país em troca de uma série de socorros financeiros desde 2010. Atualmente, a Grécia está mergulhada em seu terceiro plano de ajuda, de 86 bilhões de euros, com uma dívida pública em torno de 180% do PIB.

Agora, tudo parece incerto com as medidas sociais anunciadas por Atenas, incluindo o restabelecimento de um bônus pago aos aposentados com pensões inferiores a 850 euros e o adiamento da elevação do IVA nas ilhas orientais do Egeu enquanto persistir a crise migratória.

Para o ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, as "instituições" - Comissão Europeia, Banco Central Europeu (BCE) e Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEDE) - devem analisar se estas medidas de Atenas são compatíveis com os compromissos adotados com seus credores, informou seu porta-voz.

O porta-voz da presidência do Eurogrupo revelou que é aguardado "um relatório completo das instituições em janeiro".

Após o anúncio da suspensão do alívio da dívida, a Bolsa de Atenas perdeu mais de 3%.

Depois de seis anos de socorros financeiros e cortes de gastos, a Grécia registra o maior número de desempregados da zona do euro, com 23,4% em agosto, muito distante da média de 9,8%.

Este novo episódio da crise grega chega quando os dois principais credores da Grécia, a Zona do Euro e o Fundo Monetário Internacional (FMI), divergem sobre como tirar a Grécia de seis anos de crise econômica.

A instituição econômica com sede em Washington rejeita participar financeiramente do vigente terceiro plano de ajuda - como desejam os países da Zona do Euro - caso os europeus não tratem de uma redução decisiva da dívida grega.

burs-tjc/lr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos