Retirada de civis e rebeldes de Aleppo atrasada em várias horas

Em Aleppo (Síria)

A operação de retirada de civis e rebeldes da cidade síria de Aleppo, que deveria começar na manhã desta quarta-feira (14), estava atrasada em várias horas, segundo um correspondente da AFP.

Um acordo mediado por Rússia e Turquia na terça-feira (13) prevê a saída dos civis e insurgentes que se encontram no último bolsão de resistência na zona leste da segunda maior cidade da Síria.

A retirada deveria começar às 5h00 (1h00 de Brasília), de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Mais de três horas depois, no entanto, quase 20 ônibus permaneciam estacionados no bairro de Salahedin, dividido entre o regime e os rebeldes.

Os motoristas dormiam nos ônibus e não era possível observar nenhum civil ou insurgente nos arredores.

Nenhuma parte envolvida - rebeldes, governo, Rússia, Turquia - apresentou uma explicação para o atraso.

Nesta quarta-feira, o governo da França pediu a presença de observadores da ONU para supervisionar o processo em Aleppo.

"A França solicita observadores das Nações Unidas para ter a garantia de que a saída dos civis é uma prioridade, mas também para que os combatentes não sejam massacrados", firmou o ministro das Relações Exteriores, Jean-Marc Ayrault.

Na terça-feira, a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Samantha Power, já havia solicitado a presença de "observadores internacionais imparciais" para supervisionar a retirada dos civis, que segundo ela "temem ser abatidos na rua ou enviados para alguns dos 'gulags' de Assad".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos