As primeiras pessoas deixam bairros rebeldes de Aleppo

Alepo, Síria, 15 dez 2016 (AFP) - As primeiras pessoas retiradas da cidade síria de Aleppo deixaram nesta quinta-feira os bairros rebeldes a bordo de vários ônibus e ambulâncias, uma operação que deve selar a vitória do regime um mês após o lançamento de sua ofensiva para reconquistar a totalidade da segunda cidade síria.

O primeiro comboio a partir foi composto de ambulâncias e ônibus com 951 pessoas a bordo, incluindo 200 rebeldes, e 108 feridos, entre eles insurgentes, segundo uma fonte militar. Os veículos saíram do bairro de Al Amiriyah e se dirigiam para Ramusa, sob controle do regime.

Um pouco mais tarde, os veículos chegaram em território rebelde, no oeste da província de Aleppo, indicou à AFP Ahmad Al-Dbis, à frente de uma unidade de médicos e voluntários que coordenam a evacuação.

O comboio avançava muito lentamente, precedido por veículos do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e do Crescente Vermelho sírio.

Atrás iam 13 ambulâncias e 20 ônibus verdes, constataram jornalistas da AFP.

"Uma vez que o comboio chegue em local seguro, irá retornar para buscar outras pessoas para um segundo de transporte e assim por diante. Nós vamos continuar a operação enquanto as condições permitirem", disse Ingy Sidqi, porta-voz do CICV na Síria.

Cerca de 4.000 rebeldes e suas famílias estão incluindo no acordo, segundo a televisão síria, que indicou que a operação de evacuação poderia durar vários dias.

A perda de Aleppo é uma grande derrota para os rebeldes, que haviam conquistado a zona leste da metrópole em 2012. Para o regime, esta vitória, possível graças ao apoio da Rússia, é a mais importante desde o início da guerra em 2011.

O acordo de quinta-feira foi firmado após o fracasso de uma iniciativa anterior, concluída na terça-feira pela Rússia e Turquia, os respectivos patrocinadores do regime de Bashar al-Assad e da oposição.

- 'Corredor especial' - As primeiras pessoas a partir se agruparam nos ônibus, sentando-se nos assentos ou mesmo no chão. Houve grande confusão entre as pessoas que se perguntavam se haveria outros comboios durante uma dia, relatou um jornalista da AFP.

Os idosos choravam, mas outros evacuados estavam felizes em sair do inferno. Outros relutavam em embarcar nos ônibus, temendo revistas do regime, acrescentou.

Quando o ônibus cruzou Ramussa, mulheres comemoraram de suas varandas.

O trajeto para a região de Khan al-Assal, na província de Aleppo, leva em média 15 minutos.

De lá, os evacuados poderão seguir para a província de Idleb, o último reduto da rebelião, que também controla alguns bolsões em Deraa (sul) e perto de Damasco.

Ahmad Al-Dbis, chefe de uma unidade de médicos e voluntários que coordenam as evacuações, havia relatado tiros do exército sírio contra uma ambulância que feriram três pessoas, incluindo um membro dos Capacetes Brancos, os socorristas que atuam nas áreas rebeldes.

Rastros de fumaça branca escapavam dos bairros rebeldes. Os últimos habitantes queimavam seus escassos bens e os insurgentes seus documentos, segundo autoridades do regime.

- Dois vilarejos evacuados - Uma fonte próxima ao regime disse que as negociações foram concluídas nesta quinta-feira às 3h00 (23h00 de quarta-feira no horário de Brasília). Como parte do acordo, os feridos e suas famílias vão ser os primeiros a ser evacuados e, em seguida, os rebeldes e suas famílias, bem como "250 militantes" anti-regime desarmados.

Além disso, os feridos e doentes de Fua e Kefraya, dois vilarejos xiitas sitiados pelos rebeldes na província de Idleb, também serão evacuadas para áreas do regime.

Vinte e nove ônibus, ambulâncias e equipes médicas estavam se dirigindo para as duas aldeias para evacuar "os casos humanitários e um número de famílias", indicou uma autoridade do regime à agência estatal Sana.

Cerca de "1.200 doentes e feridos e seus familiares" serão evacuados, de acordo com fontes no terreno.

Na quarta-feira, centenas de sírios em Aleppo esperaram em vão para deixar seus bairros sitiados desde julho pelo regime. Mas depois de algumas horas, os bombardeios retomaram.

O acordo de quinta-feira foi anunciado um mês após o lançamento pelo regime de sua campanha de intensos bombardeios e combates conduzidos pelo exército sírio e combatentes estrangeiros, incluindo o Hezbollah libanês e milícias iraquianas.

"Cerca de 100.000 pessoas ainda estão presas em uma área de 5 km2" em Aleppo, de acordo com a organização Médicos do Mundo.

Em quatro semanas, a ofensiva matou mais de 465 civis na zona leste de Aleppo, de acordo com OSDH, enquanto que 149 civis foram mortos por tiros dos rebeldes na parte oeste da cidade.

Rússia e Irã devem participar em 27 de dezembro em Moscou de uma reunião com a Turquia para discutir uma solução política para o conflito na Síria, que matou mais de 310.000 pessoas desde março de 2011.

rim-mjg/tgg/sk/jri/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos