Maduro chama Macri de 'ladrão e covarde'

Caracas, 16 dez 2016 (AFP) - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou nesta sexta-feira o presidente argentino, Mauricio Macri, de "ladrão e covarde", ao acusá-lo de mandar "agredir" a chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, na quarta-feira passada.

"O covarde do Macri mandou agredi-la (...). Covarde, você é covarde, Macri, não se meta com as mulheres. Macri, covarde, oligarca, ladrão", disse Maduro durante a cerimônia de formatura de médicos em Caracas, ao lado da chanceler.

Maduro condecorou Rodríguez com a "ordem de libertadores e libertadoras da Venezuela", por sua "valentia e patriotismo".

"A Argentina se encarregará de você e lhe secará, como seca todos os que se metem com os filhos de Bolívar e de Chávez, covarde", declarou Maduro.

O presidente avaliou que se a chanceler argentina fosse agredida pelos corpos de segurança da Venezuela, haveria "um escândalo na CNN e em todos os meios da oligarquia, o Clarín em Buenos Aires, o La Nación". Mas "como a agredida é a chanceler da Venezuela, ficam em silêncio, cúmplices, covardes".

Na quarta-feira, Rodríguez foi a Buenos Aires para tentar participar de uma reunião - a qual não foi convidada - de chanceleres dos sócios fundadores do Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) após a suspensão da Venezuela do Bloco.

A diplomata, impedida de participar da reunião, afirma que foi agredida ao entrar na sede da chancelaria argentina.

Na quinta-feira, o número dois do governo chavista, Diosdado Cabello, já havia chamado Macri de "covarde" por impedir a participação de Rodríguez na reunião do Mercosul.

Nesta sexta, Macri qualificou a declaração de Cabello de "piada sem importância diante do que sofrem os venezuelanos" e afirmou que "covarde é submeter um povo pela força e impedi-lo de se manifestar".

"Isto não pode ser levado a sério, começando porque alguém (Delcy Rodríguez) não pode se convidar para uma reunião a qual não foi chamado".

"Triste é a pobreza, o abandono, a falta de garantias sobre os mínimos direitos humanos da população que hoje a Venezuela está sofrendo", declarou Macri. "Acredito na necessidade de que os venezuelanos possam decidir sobre seu futuro". O governo da Venezuela "ignora os pedidos dos venezuelanos e de todo o mundo".

A Venezuela é abalada por uma grave crise política e econômica, que se reflete no desabastecimento de produtos básicos, alimentos e medicamentos, em meio a uma inflação galopante.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos