Veja o que se sabe até o momento sobre o ataque em Berlim

Berlim, 20 dez 2016 (AFP) - Um caminhão de placa polonesa foi lançado contra uma multidão em um dos mercados de Natal mais movimentados de Berlim na segunda-feira à noite, causando ao menos 12 mortos e 48 feridos. O autor do ataque, reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico, pode estar foragido.

O massacre lembra, pelas circunstâncias, o ataque, também executado com um caminhão, em 14 de julho na cidade costeira francesa de Nice, que deixou 86 mortos.

Foi um atentadoNesta terça-feira, o grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou o atentado através de sua agência de propaganda, Amaq.

"Um soldado do EI executou a operação de Berlim, em resposta aos apelos de visar cidadãos de países da coalizão internacional" que luta contra o EI, destacou a agência.

Mais cedo, a chanceler alemã Angela Merkel já tinha confirmado que o massacre resultou de um "ato terrorista" e o ministério do Interior alemão descreveu como "um atentado" o incidente no mercado de Natal.

Os elementos apontam para um ataque semelhante ao que ocorreu em Nice no feriado da Queda da Bastilha, que deixou 86 mortos e centenas de feridos. A polícia de Berlim anunciou nesta terça que o condutor do veículo no momento do ataque havia atropelado "deliberadamente" a multidão.

O que aconteceu exatamente?Na segunda-feira à noite, por volta das 20h00 locais (17H00 de Brasília), um caminhão percorreu entre 50 e 80 metros através de um dos mercados mais visitados de Berlim, no oeste da capital alemã.

A poucos dias das festas de final de ano, é um local muito frequentado, especialmente por turistas.

O último balanço provisório é de 12 mortos e 48 feridos, 18 gravemente, com casos de fraturas e hemorragia interna, de acordo com a imprensa alemã.

Seis vítimas foram identificadas e são alemãs. Uma testemunha australiana declarou que havia crianças e idosos entre as pessoas caídas no chão após a passagem do caminhão.

O que se sabe sobre o motorista?Com base em um depoimento, a polícia deteve na segunda-feira a dois quilômetros do local da tragédia um homem suspeito de ser o condutor do veículo, um paquistanês de 23 anos que teria chegado à Alemanha pela rota dos Bálcãs em dezembro de 2015 e se registrado em Berlim em fevereiro passado como requerente de asilo.

Interrogado pelos investigadores, o homem negou ser o autor do ataque, segundo o ministro do Interior, Thomas de Maizière.

Em uma coletiva de imprensa pouco depois, o chefe da polícia de Berlim, Klaus Kandt, reconheceu que seus serviços "não tinham certeza" de que o detido era o autor do ataque, de modo que o verdadeiro culpado poderia estar foragido.

"Se for este o caso, podemos ter um perigoso criminoso na área", advertiu Kandt.

De acordo com a imprensa, o paquistanês interrogado era conhecido da polícia por atos de crime comum, mas não por radicalismo islâmico.

Finalmente, na tarde desta terça-feira, a Procuradoria Federal comunicou: "a pessoa suspeita, detida após o ataque, foi posta em liberdade (...) As provas forenses obtidas até o momento não proporcionaram evidências da presença do acusado na cabine do caminhão durante o crime".

De onde vinha o caminhão?Trata-se de um veículo pesado que pertence a uma empresa de transporte polonesa. A polícia alemã acredita que foi roubado.

O corpo do motorista polonês, morto com arma de fogo, foi encontrado no caminhão após o ataque, segundo o ministro do Interior, mas a polícia não encontrou a arma usada.

O caminhão, proveniente da Itália, estava carregado com 25 toneladas de produtos metalúrgicos, segundo encarregados da transportadora.

Ao não poder fazer a entrega na segunda-feira em Berlim, o motorista estava prestes a passar a noite na capital para fazer a entrega nesta terça-feira.

"É o meu primo, eu o conhecia desde a infância. Eu coloco minha mão no fogo por ele", disse o proprietário da empresa polonesa, Ariel Zurawski, à AFP.

bur-ylf/cfe/cr/aoc-es/eg/mr/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos