Veja as piores explosões com fotos de artifício no mundo

Paris, 21 dez 2016 (AFP) - As explosões mortais de fogos de artifício, como a ocorrida em Tultepec, na terça-feira, no México, são comuns: a mais grave dos últimos 20 anos ocorreu no Peru em 2001, enquanto a China é o país mais afetado.

Os mais mortais no mundoNo Peru, em 29 de dezembro de 2001, um gigantesco incêndio, causado por fogos de artifício, destruiu um centro comercial no centro de Lima, fazendo 447 mortos ou desaparecidos e mais de uma centena de feridos.

No Brasil, em 27 de janeiro de 2007, um incêndio provocado por material pirotécnico em uma boate da cidade de Santa Maria, sul do país, causou a morte de 242 pessoas, além de mais de 600 feridos.

Na Rússia, em dezembro de 2009, material de pirotecnia provocou um incêndio em uma casa noturna em Perm (Urais, 1200 km a leste de Moscou): 156 mortos.

Na Índia, na madrugada de 10 de abril de 2016, a explosão de um armazém de fogos de artifício provocou um grande incêndio perto de um templo hindu na cidade costeira de Paravur (sudoeste): 111 mortos e centenas de feridos.

Nos Estados Unidos, em fevereiro de 2003, um incêndio causado por material pirotécnico durante um show de rock tirou a vida de cerca de 100 pessoas em uma boate em West Warwick (nordeste).

A China vítima de seu sucessoA China é o maior produtor do mundo e o maior consumidor de fogos de artifício. Estes são lançados em casamentos, eventos, shows e especialmente durante o novo ano. Segundo a tradição, os fogos servem para afastar os maus espíritos.

Acidentes são comuns, especialmente nas fábricas devido ao desrespeito das normas de segurança.

O último acidente mortal data de julho de 2015: 15 pessoas morreram e uma dúzia de outras ficaram feridas na explosão de um armazém ilegal de fogos de artifício em Hebei (norte).

O pior desastre nos últimos vinte anos ocorreu na província de Guangdong (sul) em 30 de junho de 2000: 75 pessoas morreram e 160 ficaram feridas em uma fábrica de fogos de artifício em Jiangmen.

Outras catástrofes deste tipo atingiram a China:

- Março de 2008: 25 mortos em Xinjiang (noroeste) na explosão de um estoque de fogos de artifício que as autoridades locais estavam prestes a destruir.

- Janeiro de 2005: 25 mortos no distrito de Xiangfen (norte).

- Agosto de 2003: 20 mortos em uma fábrica ilegal em Shadi, no sudeste.

- Janeiro de 1998: 40 mortos e quase uma centena de feridos em Tangshan (norte).

Acidentes comuns no México O México, atingido nesta terça-feira, também experimentou vários precedentes mortais:

Em 26 de setembro de 1999, pelo menos 56 pessoas morreram e 348 ficaram feridas em explosões em cadeia, incluindo uma em um armazém ilegal de fogos de artifício em Celaya (300 km a noroeste da Cidade do México).

Em 1º de janeiro de 2003, a explosão de material de pirotecnia em um mercado de Veracruz, na costa atlântica, fez pelo menos 28 mortos e trinta feridos.

Mais recentemente, em março de 2013, 17 pessoas morreram e 80 ficaram feridas durante um festival religioso na explosão de um caminhão que transportava fogos de artifício em Nativitas, no estado de Tlaxcala (centro).

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos