Sequestradores de avião líbio se rendem em Malta

Valetta, 23 dez 2016 (AFP) - Dois homens armados com granadas e uma pistola sequestraram e desviaram nesta sexta-feira um avião líbio para Malta, onde se renderam após libertarem os 116 passageiros e tripulantes da aeronave.

"Os últimos membros da tripulação deixaram o avião com os piratas", anunciou pouco após às 15h30 (12h30 de Brasília) o primeiro-ministro de Malta, Joseph Muscat, que informou no Twitter toda a operação.

"Os piratas do ar se renderam, eles foram revistados e colocados em detenção", escreveu Muscat.

Muscat disse que os sequestradores eram provavelmente líbios e informou que entregaram uma granada e uma pistola durante sua prisão. As autoridades encontraram uma segunda arma de fogo no avião, acrescentou.

De acordo com o ministro das Relações Exteriores do Governo líbio de Unidade Nacional (GNA), Taher Siala, os dois homens são partidários do antigo regime de Muammar Kaddafi e pedem asilo político na ilha Mediterrânea.

Eles também querem anunciar a criação de um partido político pró-Kaddafi.

Contudo, durante uma coletiva de imprensa após o fim da crise, Muscat negou que os dois homens, "provavelmente de nacionalidade líbia", pediram asilo.

Segundo imagens da televisão, um dos dois sequestradores saiu do avião com a bandeira verde da Líbia de Kaddafi.

O piloto do avião, Ali Milad, contactado pela televisão Libya Channel, indicou que eles estavam armados com granadas e uma pistola.

O avião, um Airbus A320 da companhia Afriqiyah Airwaysque, realizava um voo doméstico. Ele havia decolado do aeroporto de Sabha (sul) e deveria pousar em Trípoli, capital da Líbia, mas desviou para Malta, pequena ilha Mediterrânea localizada 350 km ao norte de Trípoli.

As negociações, conduzidas pelo chefe do Exército maltês, permitiram a libertação gradual dos passageiros.

Um primeiro grupo de 25 mulheres e um bebê foram libertados pouco antes das 14H00 (11H00 de Brasília), seguido por outros grupos.

Segundo Muscat, havia 28 mulheres, um bebê e 82 homens, além de sete membros da tripulação.

Libertação tranquilaDe acordo com um correspondente da AFP no local, os passageiros desceram muito calmamente do avião, sem correr nem gritar. O aeroporto, que chegou a ser fechado, começou a retomar o tráfego e vários voos conseguiram pousar.

Na pista do aeroporto internacional Luqa de Malta, a aeronave foi rapidamente isolada. Veículos militares se posicionaram rapidamente e o avião foi cercado por soldados.

O aeroporto permaneceu fechado por várias horas. Vários voos, principalmente provenientes de Londres, Bruxelas e Paris, estavam previstos para esta sexta-feira.

A Líbia está mergulhada no caos desde a queda do ditador Muammar Kaddafi em 2011 e várias milícias disputam o controle do território, apesar da instalação de um governo de unidade nacional (GNA), apoiado pela comunidade internacional.

O chefe deste governo, Fayez al-Sarraj, anunciou oficialmente no último sábado a libertação de Sirte, um reduto do grupo extremista Estado Islâmico (EI). O EI havia tomado a cidade natal de Muammar Kaddafi em junho de 2015 e desde então defendia sua fortaleza ferozmente, usando táticas de guerrilha urbana, escudos humanos e minas terrestres.

A perda de Sirte foi um grande revés para o EI, mas ainda há extremistas na Líbia, como evidenciado por um ataque suicida em Benghazi no domingo passado, e talvez esse sequestro em Malta.

O GNA espera sair fortalecido da batalha de Sirte, quando ainda luta para estabelecer a sua autoridade em um país devastado por conflitos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos