Morreu aos 92 anos Mario Soares, figura marcante da política portuguesa

Lisboa, 7 Jan 2017 (AFP) - O ex-presidente socialista português Mario Soares, um fervoroso pró-europeu, que deixou uma marca na história política de seu país por quatro décadas, morreu neste sábado, aos 92 anos, em um hospital de Lisboa.

A notícia foi confirmada pelo porta-voz do hospital da Cruz Vermelha, José Barata, que não informou a causa da morte.

O governo português decretou três dias de luto nacional a partir de segunda-feira, e o funeral acontecerá na terça-feira, informaram à AFP fontes da presidência.

Soares foi internado no último dia 13 de dezembro, em estado crítico, e, em 26 de dezembro, entrou em coma profundo.

Nunca se recuperou totalmente da encefalite de janeiro de 2013, e sua saúde se agravou desde a morte da mulher, em julho de 2015.

Fundador do Partido Socialista português, ministro das Relações Exteriores, duas vezes chefe de governo, presidente da República de 1986 a 1996 e eurodeputado, Soares foi um personagem marcante da democracia portuguesa.

"Nunca me considerei especial. Sou uma pessoa normal", defendeu, em entrevista publicada em fevereiro de 2015. Soares, advogado de formação, começou cedo na política, como opositor à ditadura de Antonio de Oliveira Salazar.

- 'Combatente da liberdade' -"Perdemos aquele que foi tantas vezes o rosto e a voz da nossa liberdade", declarou o premier português, Antonio Costa, na Índia, onde realiza uma visita oficial.

"Era un combatente pela liberdade, e Portugal deve lutar agora pela imortalidade de seu legado", declarou, emocionado, o presidente da Portugal, o conservador Marcelo Rebelo Sousa.

"É um dia triste para todos os portugueses" destacou o líder da oposição de centro-direita, Pedro Passos Coelho.

"Mario Soares era um grande europeu e um homem decisivo para a democracia portuguesa", disse o chefe de governo espanhol, o conservador Mariano Rajoy.

Elogiando "seu trabalho e legado político", o rei da Espanha, Felipe VI, citou Soares como "um dos grandes líderes portugueses e europeus do último século".

Para a ex-presidente Dilma Rousseff, Soares era "adorado pelo povo e respeitado pelos adversários".

Já o presidente francês, François Hollande, declarou que "a França, que o acolheu durante a ditadura de Salazar, perde um amigo de sempre".

O novo secretário-geral da ONU, o português Antonio Guterres, elogiou a memória "de um dos poucos líderes políticos de verdadeira estatura europeia e mundial".

"A vida de Mario Soares se confunde com a história recente de Portugal, porque ele era o símbolo e artesão da resistência à ditadura e da transição de seu país para a democracia", destacou o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

"Soares é mais do que uma figura histórica, é uma fonte de inspiração", reagiu o presidente do Parlamento Europeu, o socialista alemão Martin Schulz.

Nas ruas de Lisboa, os portugueses reagiram com pesar.

"Sua morte me entristece. Mesmo idoso, era alguém que dizia o que pensava", lembrou a bibliotecária Paula Cabeçadas, 60.

- Personalidade política incansável -Já com mais idade, o ex-presidente permaneceu muito atuante e criticou com veemência as medidas de austeridade colocadas em prática pelo antigo governo de centro-direita para sanear as finanças do país entre 2011 e 2014, sob a tutela da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Artífice da adesão de Portugal à UE, em 1986, denunciou, 25 anos depois, a falta de solidariedade dos grandes países europeus, que, segundo ele, "esqueceram o projeto dos pais fundadores" para se deixarem guiar por um "capitalismo selvagem".

Sem medo de ir contra a opinião pública, defendeu o ex-premier socialista José Socrates, investigado por um caso de corrupção há dois anos.

Enfraquecido por seus problemas de saúde, assistiu, em julho, a uma cerimônia organizada em sua homenagem pelo governo socialista, mas não tomou a palavra.

Sua última aparição em público ocorreu em setembro, por ocasião de uma homenagem à sua mulher, a atriz e adepta da filantropia Maria Barroso. Casados em 1949, tiveram dois filhos, entre eles o ex-prefeito de Lisboa e ex-ministro da Cultura João Soares.

Filho de um padre que abandonou a batina, Soares se definia como agnóstico, mas permanecerá na memória dos portugueses como um homem de convicções firmes e uma figura política incansável.

Seu papel foi particularmente importante no dia seguinte à Revolução dos Cravos, em 1974, um golpe de Estado que pôs fim a 48 anos de ditadura e 13 anos de guerras coloniais.

Superando o Partido Comunista de Alvaro Cunhal, Soares venceu as primeiras eleições livres organizadas em Portugal.

Sua última batalha eleitoral, as eleições presidenciais de 2006, aos 80 anos, resultaram em um fracasso contra outro grande rival histórico, o conservador Anibal Cavaco Silva.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos