Trump insiste em se aproximar da Rússia mas quer tranquilizar republicanos

Washington, 7 Jan 2017 (AFP) - Donald Trump insistiu, neste sábado, em sua vontade de se aproximar da Rússia, mas, ao mesmo tempo, designou como novo diretor de Inteligência um ex-senador que sofre sanções de Moscou, um gesto que deve tranquilizar aqueles que temem que o presidente eleito seja condescendente com o governo russo.

"Ter uma boa relação com a Rússia é uma coisa boa, não uma coisa ruim. Apenas estúpidos ou imbecis achariam ruim", indicou Trump em uma série de mensagens publicadas no Twitter na manhã deste sábado.

A posição vai de encontro a de numerosos legisladores republicanos historicamente hostis a Moscou.

"Já temos problemas suficientes no mundo para somar mais um. Quando for presidente, a Rússia irá nos respeitar muito mais do que agora, e nossos dois países talvez trabalhem juntos para resolver alguns dos grandes problemas deste mundo", publicou Trump.

Mas a linha de conduta do presidente eleito continuava difícil de definir, uma vez que, ao mesmo tempo em que ele expressava desejo de trabalhar com a Rússia, anunciava a nomeação de Dan Coats para o posto estratégico de diretor nacional de Inteligência. Coats é alvo de sanções por autoridades russas.

Esta designação é um tema sensível para o líder populista milionário, em plena polêmica com os serviços de inteligência americanos envolvendo os ataques de informática atribuídos à Rússia durante a eleição presidencial americana, em novembro passado.

Trump manifestou publicamente ceticismo envolvendo a ingerência russa, contrariando os órgãos de inteligência americanos, que publicaram ontem um relatório acusando diretamente o presidente Vladimir Putin.

O republicano voltou à carga neste sábado, sempre no Twitter, denunciando a "negligência grave" do Partido Democrata, que, segundo ele, permitiu que fossem hackeadas milhares de mensagens eletrônicas de líderes daquele partido.

- Proibido de entrar na Rússia -"As informações indicam muito claramente que não existe absolutamente nenhuma prova de que a ação dos hackers tenha interferido nos resultados da eleição", publicou Trump.

A designação de Dan Coats, 73, senador republicano por Indiana em final de mandato, deve tranquilizar os que temem que o presidente eleito seja pouco rigoroso com a Rússia.

Coats é um dos seis senadores americanos e três funcionários do alto escalão da Casa Branca que Moscou proibiu, em 2014, de viajar para a Rússia, em resposta às sanções aprovadas pelos Estados Unidos após a invasão da Crimeia.

O diretor nacional de Inteligência, cargo criado após os atentados de 11 de setembro de 2001, coordena a atividade das 16 agências de inteligência dos Estados Unidos, incluindo CIA, FBI e NSA.

Dan Coats, que foi membro da Comissão de Inteligência do Senado, atuou como embaixador na Alemanha entre 2001 e 2005, durante o governo de George W. Bush.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos