Kremlin critica novas sanções que degradam as relações com os EUA

Moscou, 10 Jan 2017 (AFP) - O Kremlin denunciou nesta terça-feira "o passo a mais" que degrada as relações russo-americanas depois do anúncio de novas sanções de Washington contra a Rússia, dirigidas principalmente contra um alto dirigente dos serviços russos de investigação criminal.

"É um passo a mais que visa a deteriorar nossas relações", declarou à imprensa o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Ele lamentou uma "degradação sem precedentes" dos vínculos entre Washington e Moscou durante o segundo mandato do atual presidente Barack Obama.

Os departamentos de Estado e do Tesouro anunciaram na segunda-feira sanções contra Alexander Bastrikin, o chefe do poderoso Comitê de Investigação da Rússia encarregado das principais investigações criminais, e contra Andrei Lugovoi e Dmitri Kovtun, dois suspeitos do assassinato do opositor e ex-agente do KGB Alexandre Litvinenko, refugiado no Reino Unido.

Os três nomes foram acrescidos à chamada lista "Magnitski", nome de uma lei americana de 2012 que permite congelar nos Estados Unidos bens e interesses de dirigentes russos que têm proibido o acesso ao território americano porque Washington os considera responsáveis por graves violações dos direitos humanos.

A atualização da lista, estabelecida todos os anos pelo executivo americano ante o Congresso, é uma grande fonte de tensões entre Moscou e Washington desde 2012, ano da reeleição de Obama como presidente.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos