Última reunião em Viena sobre acordo nuclear iraniano antes da era Trump

Viena, 10 Jan 2017 (AFP) - O Irã e as grandes potências se reuniram nesta terça-feira em Viena para analisar os progressos realizados como parte do acordo nuclear concluído em 2015, num contexto de incertezas com a chegada de Donald Trump à Casa Branca, que criticou o texto.

"Tudo aconteceu conforme previsto", assegurou o representante russo Vladimir Voronkov à imprensa após o fim da reunião, ressaltando que a implementação do acordo estava de acordo com os compromissos.

"A confiança está crescendo. Isso também é importante", observou ele.

Organizado a pedido de Teerã após a renovação pelos Estados Unidos das sanções contra o país, o encontro reuniu durante quase três horas os diretores políticos dos seis países envolvidos no acordo e sob mediação da Comissão Europeia.

O encontro é o quarto desde a entrada em vigor, em janeiro de 2016, do acordo destinado a garantir o caráter estritamente pacífico do programa nuclear do Irã.

Ele ocorre em um contexto de expectativa, uma vez que o novo presidente americano Donald Trump, que toma posse em 20 de janeiro, ameaçou durante sua campanha eleitoral "rasgar" o texto, considerado como um grande sucesso diplomático do governo Obama.

Do lado iraniano, o acordo também perdeu um apoio simbólico de peso na pessoa do ex-presidente Akbar Hashemi Rafsanjani, que morreu no domingo aos 82 anos.

Concluído após duras negociações em julho de 2015 entre o Irã e o Grupo 5+1 (Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha), na capital austríaca, o acordo prevê a suspensão das sanções ao Irã em troca de um rigoroso controle de suas atividades nucleares.

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), órgão da ONU encarregado de supervisionar a aplicação do acordo por Teerã, atestou até à data que a República Islâmica tem cumprido com suas obrigações.

Por sua vez, a comunidade internacional retirou a maior parte das sanções contra o Irã, permitindo um retorno do país ao mercado de gás e petróleo.

Acordo 'tenebroso'Mas, no início de dezembro, o Congresso americano renovou por dez anos o Iran Sanctions Act (ISA). O presidente Barack Obama, muito envolvido na conclusão do acordo, autorizou a prorrogação, mas recusou-se a assinar a lei.

O Irã considera que esta extensão constitui uma "violação" do acordo nuclear e acusa os Estados Unidos de impedir uma normalização real das relações econômicas, especialmente financeiras, com o resto do mundo.

Os Estados Unidos suspenderam as sanções anti-iranianas relacionadas à questão nuclear, mas impõe outras ligadas aos direitos humanos, pelo suposto apoio de Teerã ao "terrorismo" no Oriente Médio e seu programa de mísseis balísticos.

As sanções americanas penalizam o setor bancário iraniano e as indústrias de energia e defesa. Portanto, o impacto econômico do acordo nuclear foi muito menos importante do que se esperava pelo Irã, onde essa frustração poderia prejudicar uma possível reeleição do presidente moderado Hassan Rohani em maio.

Apesar de Trump ter considerado no final de dezembro o acordo como algo "tenebroso", até agora não especificou a maneira como pretende agir em relação a este texto.

No entanto, nomeou como futuro chefe da CIA um ferrenho opositor do Irã, Mike Pompeo, que está empenhado em voltar atrás em um "acordo desastroso".

Obama, no entanto, duvida que Trump seja capaz de desmantelar "um acordo fantástico (...) que impede o Irã de obter uma arma nuclear".

As autoridades iranianas também estimaram que o novo presidente americano não poderia retroceder, especialmente porque foi "aprovado" pela ONU. A União Europeia também destacou o caráter "multilateral" do texto.

Voronkov também se mostrou sereno sobre as intenções de Trump. "A campanha eleitoral é uma coisa, mas o palco onde entra em função é outro", disse à Tass ,estimando que o novo presidente "terá a oportunidade de ver o documento de outra maneira".

phs-stu/pt/mr/mvv

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos