Israel enfrenta uma série de escândalos sexuais

Jerusalém, 12 Jan 2017 (AFP) - Uma série de revelações sobre agressões sexuais imputadas a funcionários de alto escalão obriga Israel a se perguntar sobre a persistente atitude retrógrada de certos homens, revelada graças a uma nova liberdade de palavra das mulheres.

O caso mais chocante é o de Moshé Katzav, presidente de Israel de 2000 a 2007, que acaba de sair da prisão depois de cumprir uma condenação de cinco anos por estupro.

Nos últimos meses, um general, um ex-funcionário de alto escalão do governo e um deputado figuram entre outras personalidades israelenses que foram envolvidas em casos deste tipo.

O general Ofek Buchris renunciou em julho de 2016 depois de ter sido acusado de estupro. Chegou a um acordo com a justiça, o que evitará a prisão, ao reconhecer que teve uma relação consensual com uma subordinada, o que está proibido no exército, e uma conduta inadequada com outra.

Mas o acordo provocou a revolta de parte da opinião pública. Quatro antigas mulheres-soldado publicaram um vídeo que fez muito sucesso nas redes sociais. Intitulado "as meninas de Buchris", o vídeo denuncia o corporativismo do exército em tais circunstâncias, assim como os insultos que as mulheres agredidas recebem na internet.

- 'Carne para oficiais' -"Não somos carne para os oficiais", afirmam no vídeo.

Centenas de pessoas se manifestaram recentemente diante do quartel-general do exército em Tel Aviv, gritando: "Não é não! É tão difícil de entender?".

Esta mobilização "não ocorreu porque, de repente, existem mais escândalos do que antes (...) Simplesmente as mulheres começam a entender que podem falar, denunciar, dar nomes", explicou a organizadora da manifestação, Noga Shahar, atriz do Teatro Nacional de Israel.

Mas "o sistema judicial não responde", acrescentou.

Shahar citou o caso "indignante" de Yitzak Cohen, um juiz de Nazaré acusado de ter forçado uma funcionária a se sentar em seus joelhos e de tê-la acariciado em 2010.

O magistrado renunciou, mas um acordo depois de se declarar culpado pode evitar a sua prisão e condená-lo apenas a trabalhos em benefício da comunidade e a uma multa de 2.500 shekels (600 euros).

Não é possível saber o número exato de agressões sexuais "porque a maioria das mulheres nem mesmo se importa em ir à polícia", indicou Orit Sulitzeanu, uma funcionária da Associação de Centros de Crise contra o Estupro em Israel (ARCCI).

- Uma sociedade pouco formalista -Mas a ação da ARCCI e uma crescente conscientização provocaram um tsunami de queixas de vítimas, afirmou.

Em 2015, os centros da ARCCI receberam 9.197 chamadas denunciando novos incidentes de agressão sexual, um aumento de 17% em cinco anos, segundo a organização.

E isso "é apenas uma parte da realidade", afirmou Orit Sulitzeanu, ao se referir ao escasso formalismo que caracteriza as relações em Israel.

"É uma sociedade majoritariamente sem distâncias" e na qual é aceitável um certo grau de contato físico, explicou.

Destaca que o lugar central ocupado pelo exército e pelo serviço militar, obrigatório para ambos os sexos, faz com que os abusos que ocorrem ali se reproduzam posteriormente na sociedade.

"Do exército se propaga à polícia e ao local de trabalho", afirmou.

O exército disse punir semelhantes condutas. Em 2015, alega, 12 ações por estupro deram lugar a investigações por parte da polícia militar, contra oito em 2014 e cinco em 2013.

O exército abriu um serviço de assistência jurídica para os militares vítimas de agressões sexuais.

A primeira mulher a quem concedeu sua ajuda foi a que acusou o general Buchris.

mib-scw/lal/me/ra/ma

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos