Comitê de Inteligência do Senado dos EUA investigará espionagem russa

Washington, 14 Jan 2017 (AFP) - O Comitê de Inteligência do Senado dos Estados Unidos anunciou nesta sexta-feira que abriu uma investigação sobre a ação de agentes russos nas eleições de 2016, afirmando que os relatórios sobre a ingerência de Moscou e seu possível vínculo com algum partido "suscitam grande preocupação".

A investigação, apoiada tanto por democratas como por republicanos, pode exigir o depoimento de funcionários da administração de Barack Obama e do futuro governo, de Donald Trump.

As agências de inteligência dos EUA alegam que o presidente russo, Vladimir Putin, ordenou ações secretas para interferir nas eleições apoiando Trump e desacreditando sua adversária, a democrata Hillary Clinton.

Segundo um relatório do Diretor Nacional de Inteligência publicado no dia 6 de janeiro, os russos 'hackearam' computadores e e-mails do Partido Democrata para publicar informação que comprometia Clinton, e realizaram uma campanha de manipulação midiática com o mesmo objetivo.

"Como parte das responsabilidades de supervisão do Comitê de Inteligência do Senado acreditamos que é crucial ter uma boa compreensão do alcance das atividades de inteligência russas com impacto nos Estados Unidos", declarou o Comitê em um comunicado.

Trump, que tomará posse na próxima semana, nega as afirmações de que Moscou contribuiu para sua eleição.

A investigação revisará as avaliações da comunidade de inteligência e outras, "incluindo qualquer questão de inteligência sobre vínculos entre a Rússia e indivíduos associados a campanhas eleitorais", destacou o Comitê.

polpmh/sst/lr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos