Obama comuta pena de Chelsea Manning, WikiLeaks canta vitória

Washington, 18 Jan 2017 (AFP) - A três dias de sua saída da Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, comutou a pena da militar que vazou informações para o site WikiLeaks, Chelsea Manning, que será libertada no próximo dia 17 de maio.

Em agosto de 2013, Manning foi condenada a 35 anos de prisão por vazar mais de 700 mil documentos confidenciais do governo americano para o WikiLeaks.

A militar transexual, que antes se chamava Bradley Manning, teve a pena comutada para sete anos e poderá ser libertada no dia 17 de maio.

Segundo a Constituição americana, o presidente pode indultar, ou comutar, a pena de um condenado.

Em sua última entrevista coletiva no cargo, nesta quarta-feira (18), Obama justificou sua decisão, alegando que Manning já cumpriu parte importante da pena.

"Sejamos claros: Chelsea Manning já cumpriu uma dura sentença na prisão", disse o presidente, avaliando que a condenação de 35 anos de prisão era "desproporcional" em relação a outras sanções em delitos similares.

"Sinto que se fez justiça", apontou.

Elogiado por seus partidários por ter revelado os abusos dos Estados Unidos no Iraque e no Afeganistão, o ainda Bradley Manning foi condenado por uma Corte Marcial por ter colocado seus companheiros e seu país em risco.

Manning, de 28 anos, tentou cometer suicído em duas ocasiões, em julho e agosto passados.

WikiLeaks comemorou a decisão no Twitter.

"VITÓRIA: Obama comuta pena de Chelsea Manning de 35 anos para 7. A data da libertação é 17 de maio", tuitou o site.

O fundador do Wikileaks, Julian Assange, agradeceu nessa mídia social a todos os que contribuíram para a comutação da pena.

"Obrigado a todos que participaram desta campanha por clemência. Vossa coragem e determinação tornaram isto possível. Em cinco meses estará livre. Obrigado por tudo que fizeram pelo mundo", completou.

Na semana passada, Wikileaks afirmou que Assange aceitaria ser extraditado para os Estados Unidos, caso Barack Obama mostrasse clemência com Chelsea Manning.

"Se Obama conceder o indulto a Manning, Assange aceitará uma extradição para os Estados Unidos, apesar de ser um caso claramente inconstitucional por parte do DoJ (Departamento de Justiça dos Estados Unidos)", tuitou o WikiLeaks.

- 'Um herói'Assange, de 45 anos, vive na embaixada do Equador em Londres desde junho de 2012 para evitar a extradição para a Suécia, onde é acusado de agressão sexual.

O australiano teme que Estocolmo o extradite para os Estados Unidos por conta da divulgação de milhares de documentos militares e diplomáticos de Washington que foram vazados por Manning.

Seus advogados voltaram a pedir na terça-feira que o Departamento de Justiça americano não o indicie pela divulgação dos documentos confidenciais enviados para o WikiLeaks.

"Em cinco meses você estará livre. Obrigado por tudo o que você fez por todo mundo, Chelsea", reagiu Edward Snowden no Twitter.

O governo americano sempre insistiu na diferença de gravidade entre os casos de Manning e do ex-consultor da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) refugiado na Rússia. Snowden vazou milhares de documentos secretos, revelando o sistema de vigilância de dados das autoridades americanas em nível mundial.

"Chelsea Manning foi alguém que foi julgado pela Justiça Militar, reconheceu sua culpa, foi condenado e reconheceu seus erros", explicou o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest.

"Snowden fugiu para os braços de um adversário e encontrou refúgio em um país que, muito recentemente, tentou deliberadamente enfraquecer nossa democracia", ressaltou, acrescentando que "as divulgações de Edward Snowden foram muito mais graves e muito mais perigosas".

- 'Traidor' tratado como 'mártir'O presidente eleito Donald Trump ainda não reagiu à decisão, mas muitos republicanos já manifestaram sua insatisfação.

Furioso, o senador Tom Cotton do Arkansas lamentou que um "traidor" seja tratado como um "mártir". Ele afirmou não entender "por que o presidente teria uma compaixão especial para alguém que colocou em perigo as vidas dos nossos soldados, nossos diplomatas, nossos agentes da Inteligência e nossos aliados".

O senador John McCain denunciou "um erro grave" que pode "encorajar outros atos de espionagem e minar a disciplina militar".

"Isso é ultrajante", declarou o presidente da Câmara de Representantes, o republicano Paul Ryan.

A organização Anistia Internacional acolheu a decisão "positiva, mas tardia", considerando "extravagante" que Chelsea Manning tenha passado tantos anos na prisão.

O cineasta Michael Moore respondeu com entusiasmo: "OBRIGADO presidente Obama por comutar a sentença de Chelsea Manning!!! Ela será libertada em maio em vez de 2045!! OBRIGADO".

No total, Obama perdoou 64 pessoas e comutou a pena de outras 209, incluindo Manning, em um de seus últimos atos como presidente.

Entre os beneficiados, está o general James Cartwright, que prestou falso testemunho ao FBI (a Polícia Federal americana) em uma investigação sobre vazamento de informação, envolvendo o ciberataque que os Estados Unidos lançaram contra o Irã em 2010.

Obama também comutou a pena do separatista porto-riquenho Óscar López Rivera, preso há mais de três décadas por acusações relacionadas a terrorismo.

López Rivera cumpria uma pena de 55 anos de prisão desde 1981, aos quais se somaram outros 15 anos em 1988, por conspiração, transporte de armas e munições, ligados a seu envolvimento com o grupo nacionalista Forças Armadas de Libertação Nacional (FALN).

López Rivera também será libertado em 17 de maio deste ano, como Manning.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos