Tropas africanas entram na Gâmbia em apoio a novo presidente

Dacar, 20 Jan 2017 (AFP) - Tropas africanas entraram na Gâmbia, nesta quinta-feira (19), em apoio ao presidente eleito desse país, Adama Barrow, que tomou posse no Senegal devido à resistência de seu predecessor, Yahja Jammeh, a deixar o poder.

Composta por Senegal e outras quatro nações vizinhas, a intervenção acontece como parte de uma operação internacional para devolver a legalidade a esse pequeno país, com cerca de dois milhões de habitantes, nas mãos de Jammeh desde 1994.

Horas após sua entrada no país, a força africana informou que suspendia sua operações a espera da mediação da Guiné.

A mediação será tentada nesta sexta-feira, até o meio-dia, em Banjul, por intermédio do presidente da Guiné, Alpha Condé, informou Marcel Alain de Souza, presidente da comissão da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

"Se até o meio-dia ele (Jammeh) não aceitar partir da Gâmbia acompanhado pelo presidente Condé, então as tropas passarão à operação militar propriamente dita".

O Conselho de Segurança da ONU votou por unanimidade uma resolução de apoio à intervenção africana ocidental. Mais cedo, aviões de combate nigerianos fizeram missões de reconhecimento sobre a Gâmbia, em especial sobre Banjul.

Na tarde de quinta-feira, Adama Barrow, de 51 anos, prestou juramento em cerimônia oficial realizada na embaixada do país no Senegal.

Todo vestido de branco, Barrow prestou juramento com as mãos sobre o Alcorão, pouco antes das 17h (15h, horário de Brasília), diante do presidente da Ordem dos Advogados da Gâmbia, Sheriff Tambadou, e na presença de vários representantes de organizações internacionais e regionais. Suas duas mulheres acompanharam o evento.

O novo presidente disse se tratar de uma "ocasião histórica".

"É um dia que os gambianos nunca mais vão esquecer", afirmou.

"A bandeira gambiana tremulará alto agora", declarou, após a inédita posse no exterior.

Ele também ordenou "ao chefe do Estado-Maior e aos oficiais de alta patente que me mostrem sua lealdade enquanto comandante em chefe".

Na quarta à noite, o chefe do Exército gambiano, general Ousman Badjie, havia declarado a estrangeiros em um setor turístico perto de Banjul que seus homens não lutariam, se as tropas da Cedeao entrassem no país.

"Esta é uma disputa política", explicou, acrescentando que "não vou envolver meus soldados em um combate estúpido".

Em sua posse, o novo presidente fez um apelo pela união, pela reunião e pelo trabalho, prometendo governar para todos, e não apenas para os que votaram nele.

Ele agradeceu aos países e às instituições que se mobilizaram para resolver a crise na Gâmbia, instalada depois de Jammeh ter declarado que não reconheceria o resultado das urnas.

Barrow mencionou, especialmente, os presidentes Muhammadu Buhari (Nigéria) e Macky Sall (Senegal), assim como a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Cédéao), a União Africana e a ONU.

Entre as personalidades que compareceram à posse, estavam o primeiro-ministro senegalês, Mahammad Boun Abdallah Dionne; o ministro senegalês das Relações Exteriores, Mankeur Ndiaye; o presidente da Comissão da Cedeao, Marcel Alain de Souza; o enviado especial da ONU na África Ocidental, Mohamed Ibn Chambas, além de vários embaixadores acreditados em Dacar.

Situada no bairro de Yoff, a embaixada foi cercada, após a posse, por uma multidão de gambianos exilados. Alguns usavam camisetas com a inscrição #GambiaHasDecided" ("Gâmbia decidiu"), slogan dos partidários da mudança de governo, enquanto outros agitavam bandeiras, dançavam e cantavam.

Apesar do estado de emergência decretado pelo governo, a população tomou as ruas da capital gambiana, Banjul, para festejar a posse.

"Por fim chegou a liberdade. A tirania foi enterrada, e a democracia restaurada", comemorava Lamin Sanyang, simpatizante de Barrow, nas ruas da capital.

Militares avançam"Entraram esta tarde", declarou à AFP o porta-voz do Exército do Senegal, coronel Abdoul Ndiaye, referindo-se às tropas senegalesas e de outros quatro países da África Ocidental.

"O conjunto dos meios - terra, ar e mar - das forças da Cedeao mobilizadas para essa operação foi autorizado", disse à AFP uma outra fonte do Exército senegalês, acrescentando que militares da Nigéria, do Gana, do Togo e do Mali também participam.

O anúncio sobre a entrada das tropas foi feito alguns minutos depois de o Conselho de Segurança ter apoiado os esforços militares para forçar a saída de Jammeh. Patrocinada pelo Senegal, a resolução ganhou a adesão de todos os 15 membros do órgão, incluindo a Rússia. Moscou destacou, porém, que a medida não autorizou formalmente uma ação militar nesse país.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, telefonou hoje para Adama Barrow para manifestar seu total apoio.

Guterres expressou "ao presidente Barrow seu total apoio por sua determinação e pela histórica decisão da Cedeao, com o apoio unânime do Conselho de Segurança, para restaurar a autoridade da lei na Gâmbia, assim como para honrar e respeitar o povo da Gâmbia", informou um porta-voz da ONU.

Turistas - principalmente britânicos - continuam sendo retirados do país.

Milhares de refugiados fugiram da Gâmbia nos últimos dez dias em meio a uma escalada de tensões, de acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur).

mrb-cs/sst/sba/tt/lr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos