Gâmbia caminha para solução com saída de Jammeh

Banjul, Gâmbia, 21 Jan 2017 (AFP) - O presidente em final de mandato da Gâmbia, Yahya Jammeh, informou neste sábado que abandonará o poder para garantir a paz em seu país, após a mediação de Guiné e Mauritânia.

"Hoje decidi, com a consciência tranquila, ceder o comando desta grande nação, com a infinita gratidão de todos os gambianos", disse Jammeh à TV estatal.

"Minha decisão de hoje foi ditada por nada além que o interesse supremo de vocês, povo da Gâmbia, e do nosso querido país".

"Em um momento em que presenciamos problemas e ameaças em outras partes da África e do mundo, a paz e a segurança da Gâmbia é uma herança coletiva que devemos manter e defender".

Os presidentes de Mauritânia e Guiné obtiveram na sexta-feira, em Banjul, um acordo para que Jammeh abandonasse o país.

"As coisas estão quase solucionadas. Jammeh aceitou deixar o poder. As negociações prosseguem sobre o local do exílio e suas condições", informou uma fonte mauritana.

"Devemos encontrar um país suficientemente longe da Gâmbia para impedir que Yahya Jammeh interfira no processo democrático", explicou a fonte.

Segundo uma fonte diplomática ligada às discussões, um acordo final será firmado pelo novo presidente da Gâmbia, Adama Barrow, que atualmente se encontra no vizinho Senegal, e pelo próprio Jammeh.

"Será uma declaração comum entre Barrow e Jammeh", disse a fonte, destacando que as tropas da África do Oeste, mobilizadas para forçar a saída de Jammeh, permanecerão até sua partida.

As tropas de cinco dos 15 países da CEDEAO chegaram na quinta-feira ao território da Gâmbia, no âmbito da operação "Restaurar a democracia".

Adama Barrow, de 51 anos, eleito presidente no dia 1º de dezembro, foi empossado na tarde de quinta-feira na embaixada de seu país em Dacar.

Os presidentes de Mauritânia e Guiné eram "contrários a uma intervenção militar na Gâmbia (...) um precedente perigoso" para a região.

Segundo os jornalistas, a noite foi tranquila na capital da Gâmbia que, depois da posse de Adama Barrow, registrou na tarde de quinta-feira manifestações de celebração que não foram reprimidas pelos militares.

A escalada da tensão levou milhares de gambianos, residentes estrangeiros e turistas a abandonar o país.

Mais de 45.000 pessoas fugiram da Gâmbia desde o início de janeiro, em sua maioria ao Senegal, informou nesta sexta-feira a Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR), que teme fluxos migratórios maiores se a crise no país persistir.

hos-jom-bm/lr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos