Jornalista espanhol denuncia ter sido deportado da Venezuela

Caracas, 23 Jan 2017 (AFP) - Um jornalista espanhol, correspondente da rede alemã Deutsche Welle (DW), denunciou no domingo ter sido deportado da Venezuela, para onde viajou para cobrir manifestações a favor e contra o governo de Nicolás Maduro previstas para esta segunda-feira.

"Uma tristeza imensa por não poder estar onde deveria, na Venezuela fazendo meu trabalho", escreveu Aitor Sáez na rede social Twitter depois de chegar a Bogotá, Colômbia, para onde foi enviado pelas autoridades venezuelanas.

Segundo seu relato, funcionários do Serviço Administrativo de Identificação, Migração e Estrangeiros (Saime) o declararam "inadmissível" ao aterrissar no aeroporto internacional de Maiquetía, a 25 km de Caracas. Isso apesar de ter feito cinco visitas anteriores no período de um ano.

A denúncia de Sáez foi confirmada pelo maior sindicato de jornalistas da Venezuela, que classificou a medida como uma ameaça à liberdade de imprensa.

"O governo insiste em silenciar a imprensa e isolar o país (...). Com o eufemismo de 'inadmitido', deporta Aitor Sáez", declarou o Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa (SNTP).

No ano passado foram registrados vários incidentes similares com repórteres estrangeiros na Venezuela.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos